Compartilhe

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

A falsa prosperidade

Queridos leitores,

hoje vemos supostas igrejas de Jesus Cristo, pregando o evangelho da prosperidade, que é um falso evangelho.

A falsa prosperidade é aquela em que se busca somente a própria prosperidade achegando-se à Deus. A verdadeira prosperidade é buscar à Deus, por amor à Ele. Buscar à Deus por buscar à Deus. Todas as coisas estão n'Ele e Ele as dispões para quem quiser, à quem desejar, à quem lhe agrade, porque Ele é soberano. Mas não esqueçamos que o verdadeiro ouro refinado, a verdadeira prosperidade, são as coisas espirituais do nosso Deus, coisas que vem d'Ele.

Fujamos de todo falso evangelho, pois não devemos temer aqueles que podem matar o corpo, mas aquele que pode matar a alma e o corpo. Busquemos então a verdadeira Igreja de Jesus Cristo. Conheceremos a boa árvore pelos seus frutos.
"E não temais os que matam o corpo e não podem matar a alma; temei antes aquele que pode fazer perecer no inferno a alma e o corpo. Não se vendem dois passarinhos por um ceitil? e nenhum deles cairá em terra sem a vontade de vosso Pai. E até mesmo os cabelos da vossa cabeça estão todos contados. Não temais, pois; mais valeis vós do que muitos passarinhos. Portanto, qualquer que me confessar diante dos homens, eu o confessarei diante de meu Pai, que está nos céus. Mas qualquer que me negar diante dos homens, eu o negarei também diante de meu Pai, que está nos céus." (Mateus 10:28-33)
Fiquemos todos na Paz, que excede todo o entendimento, 
do Nosso Senhor Jesus Cristo de Nazaré.


sábado, 27 de setembro de 2014

A dificuldade de DESconexão

Queridos leitores,

estamos vivendo um período da nossa história, que podemos considerar histórico. Com o advento de novas tecnologias estamos percebendo a dificuldade de nos mantermos desconectados. Num passado não muito distante começamos com os Telex, Fax, BBS, internet, BIPs, celulares, computadores portáteis, tablets e celulares de última geração com todo o tipo de conectividade, não necessariamente nesta ordem cronológica. A tendência é de piorar ainda mais, com a chegada dos "glasses", como o Google Glass, por exemplo. Trata-se de um óculos em que a pessoa está conectada o tempo todo recebendo diversas informações e chats on-line, diretamente nos seus olhos e pela audição. Outros aparatos tecnológicos ainda mais avançados, certamente já estão sendo desenvolvidos.

Hoje não conseguimos ficar fora do alcance de uma rede WiFi ou rede móvel, em decorrência do uso do Twitter, Facebook e do WhatsApp, só para citar os mais conhecidos, que se tornaram uma febre em todos os lugares. Estamos cada vez mais dependendo de máquinas severamente conectadas entre si, que nos colocam numa realidade alternativa, paralela ao mundo real em que estamos inseridos. É difícil chegarmos num restaurante sem que estejamos digitando alguma coisa nos nossos celulares, tablets ou outro equipamento de comunicação. Mesmo nos nossos momentos de lazer e de compartilhar familiar, lá estão as maquininhas. 

Será que chegará o tempo em que as pessoas terão avatares reais, robôs super fortes, que viverão as nossas vidas, numa juventude perpétua, enquanto elas ficam enfurnadas em seus apartamentos, em poltronas macias e confortáveis, numa vida sem cor, com barba e cabelo por fazer, vestindo pijamas o dia inteiro, servindo apenas como controle e memória para os seus substitutos? Isto já foi retratado no cinema, no filme Substitutos ou Surrogates (nome original), 2009, com Bruce Willis. Nessa "realidade" as pessoas necessariamente não precisavam corresponder a sua verdade existencial, ou seja pessoas poderiam escolher quem desejavam ser. Homens poderiam ser mulheres e vice-versa. Podemos hoje pensar que isso seria até muito bom, pois estaríamos longe da insegurança das ruas, dos assassinatos (já que todos seriam robôs), longe dos acidentes e de muitos outros inconvenientes e fatos indesejáveis da nossa vida diária. Os crimes acabariam. São ótimas e lógicas as justificativas, não é mesmo? Seria tudo ótimo, se não fosse a fácil percepção que isso acabaria com a vida das pessoas. Quem gostaria de viver trancado num apartamento, ligado a uma máquina de controle de um substituto, enquanto o seu precioso tempo de vida passa inexoravelmente. 

Antes que cheguemos a uma realidade destas é necessário que nos disciplinemos, que saibamos que a tecnologia é somente aliada e não alienante. A tecnologia se tornará alienante somente se permitirmos, se facilitarmos através da indisciplina e uso errado das facilidades que ela nos proporciona. É necessário que mantenhamos uma vida saudável, onde a tecnologia não seja a principal coisa do nosso viver diário. Devemos manter os relacionamentos com os familiares e amigos, destinando tempo para o lazer real, longe destas máquinas. Não há nada melhor, do que o conversar pessoalmente, o aperto de mão, o abraço caloroso, o beijo nos nossos familiares o afago do cônjuge de "carne e ossos". Não há nada que substitua o relacionamento pessoal humano. 

Devemos, de preferência, sair fora das rádio frequências, embora isso seja cada vez mais difícil. Devemos ficar longe das "ondas azuis" que são prejudiciais à saúde. Devemos evitar que os celulares fiquem ao nosso lado, no criado mudo, enquanto dormimos. Pior ainda quando estes aparelhos dormem conosco na nossa cama, ou acoplados aos nossos ouvidos. Devemos, se possível, desligar as redes WiFi de dentro das nossas casas, ao irmos dormir. Hoje é comum descansarmos com redes WiFi, celulares e todo o tipo de equipamento transmissor e recebedor de rádio frequências ao nosso redor ou junto de nós. Que tipo de descanso é este? Não é a toa que a depressão atinja hoje, um número "sem fim" de pessoas pelo mundo afora. O filme Lucy, 2014, nos ilustra muito bem a existência das "ondas azuis". Devemos fazer da tecnologia nossa amiga e não a transformar em destruidora da nossa saúde, lares, famílias e relacionamentos, independentemente do motivo para que ela foi criada. 

O apelo deste mundo é tão grande, apresentando-se atraente, simpático e muito bom, que o Reino de Deus pode nos parecer não tão "legal" assim e desta forma desejarmos "cair de cabeça" nas coisas que este mundo nos oferece. Já não mais nos interessam as coisas de Deus. O alerta está dado.
"Não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso espírito, para que possais discernir qual é a vontade de Deus, o que é bom, o que lhe agrada e o que é perfeito." (Romanos 12:2)
 Fiquemos todos na paz, que excede todo o entendimento, 
do Nosso Senhor Jesus Cristo de Nazaré.

domingo, 21 de setembro de 2014

Onde está a verdadeira sabedoria?


Simples assim:

"E disse ao homem:
Eis que o temor do Senhor é a sabedoria,
e o apartar-se do mal é o entendimento
."
Jó 28:28

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Adultos ou crianças?

Uma coisa é certa, a atual geração de crianças é muito diferente do que foi a nossa geração, quando nossos pais realmente nos tratavam e nos disciplinavam como crianças. Como é bom ser cuidado por alguém, ter respeito para com os pais e para com os outros, saber se comportar na presença de pessoas de todas as idades, saber se comportar nos lugares e nas mais diversas situações. Como era bom ser criança na nossa época. Raramente envergonhávamos nossos pais. Muita brincadeira e diversão de verdade. Hoje as crianças brincam encerradas dentro de suas casas e apartamentos com jogos eletrônicos, ditos mais seguros pelos pais. Na verdade, estas crianças, fazem  o que bem entendem. Os pais não agem como pais, disciplinadores experientes, mas como irmãos ou sei lá quem, sem autoridade, que "batem boca" com os filhos em pé de igualdade. As crianças desta geração deixam de ser crianças muito cedo, tornando-se assim, adultos precoces, enfermos da alma. Este não é o assunto principal. Isto serve apenas de introdução para a mensagem que quero entregar, pois as crianças que me referirei, talvez sejam de uma geração que já passou.  

Quando éramos crianças nossos pais cuidavam-nos, davam-nos alimentos adequados, tratamento adequado, nos deixavam ver na TV e na vida diária, somente o que nos era adequado, guardavam-nos das coisas ruins, protegiam-nos de situações perigosas, deixavam-nos brincar sadiamente, enfim tratavam-nos e faziam-nos viver como crianças que éramos e assim passamos muito bem as nossas infâncias.

Quando ficamos adultos, e isto acontece cedo demais, pensamos que podemos tudo. Agora já adultos podemos comer e beber o que quisermos; ver o que quisermos (principalmente filmes adultos), pois já sabemos lidar com estas coisas; falar o que quisermos, afinal somos todos adultos; realizar atividades de risco que quisermos, pois sabemos lidar com os riscos; podemos andar com quem quisermos, afinal temos discernimento e sabemos lidar com as influências, não é mesmo? Pensamos que podemos fazer todas estas coisas prejudiciais e outras, coisas de adultos, e que não haverá consequências. Um grande engano. Não Podemos fazer muitas destas coisas ditas como para adultos.
"Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm; todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas edificam." (1 Coríntios 10:23)
Seremos contaminados e ficaremos enfermos na alma e comumentemente na parte física, se fizermos tudo o que nos vem a cabeça ou aquilo que o mundo sugere que façamos.

Veja o que a história nos conta:
"E traziam-lhe meninos para que lhes tocasse, mas os discípulos repreendiam aos que lhos traziam. Jesus, porém, vendo isto, indignou-se, e disse-lhes: Deixai vir os meninos a mim, e não os impeçais; porque dos tais é o reino de Deus. Em verdade vos digo que qualquer que não receber o reino de Deus como menino, de maneira nenhuma entrará nele". (Marcos 10:13-15)
"Jesus chamou uma criancinha, a pôs no meio deles e disse: “Se não se mudarem totalmente a direção das vossas vidas e se não se tornarem como criancinhas, jamais entrarão no reino dos céus. Pois aquele que se tornar pequeno e simples como esta criança será como o maior de todos no reino dos céus. E qualquer que receber uma criança como esta, em meu nome, esse estará a receber-me a mim. Mas se qualquer de vocês fizer com que um destes pequeninos que creem em mim perca a fé, melhor seria que fosse atirado ao mar com uma pedra de moer amarrada ao pescoço". (Mateus 18:2-6)
Porque o Senhor nos disse isto? Respondo com uma outra pergunta:
Será que podemos pensar num Deus Onisciente, Onipresente e Onipotente como uma criança? Reflita um pouco sobre isto...
...
Nosso Deus é assim, como uma criança. Tem maior pureza, transparência, sinceridade, fidelidade, amor desinteressado, do que uma criança. Dá pra pensar nisto? Alguém com estes atributos de criança, mas inimaginavelmente poderoso e essencialmente verdadeiro, santo, justo e amoroso? É algo que não conseguimos entender, por isso Ele é o Deus do impossível. Sua própria existência para nós, é impossível, de tal forma que no decorrer da história humana o homem tentou materializá-lo através de suas concepções e percepções falhas, idolatrando imagens que nada tem a ver com nosso Deus, aborrecendo-O. O apóstolo Paulo já dizia, que as coisas de Deus são loucura para os homens. Veja em 1 Coríntios 2:14; 1 Coríntios 1:25; 1 Coríntios 1:18.

Deus quer que sejamos como crianças, simples, humildes e puros e, que assim possamos habitar com Ele aqui e no reino dos céus, no tempo certo.

Fiquemos todos na Paz, que excede todo o entendimento, 
do Nosso Senhor Jesus Cristo de Nazaré.

quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Sexo só para procriação?

Até nos dias atuais ainda há pessoas que pensam que o sexo foi criado apenas para a procriação. Esse é o entendimento de pessoas enganadas ou naquelas em que não há verdade, para conseguirem esconder os verdadeiros motivos da sua "abstinência". Trata-se, muitas vezes de religiosidade, que sempre anda na contra-mão de Deus.
"Disse mais o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma auxiliadora que lhe seja idônea." (Gênesis 2:18)
O Sexo é um presente de Deus para o casamento. Se não fosse assim como poderíamos explicar Abraão e Sara, que fizeram inumeras tentativas antes de Sara dar a luz a Isaque. Será que depois de terem Isaque, pararam completamente de relacionar-se? Claro que não. Moisés também foi casado, mas será que se relacionou com sua esposa somente para ter seus filhos? Obviamente que não. Enquanto estava com sua esposa, sem que houvesse concepção, estava em pecado? Não. A bíblia está cheia de exemplos assim.

Sexo, além de tudo, promove a saúde pois trata-se de uma necessidade fisiológica que proporciona prazer, relaxamento, liberando substâncias químicas que fazem bem para o organismo humano. Como pode algo ruim gerar vida? O sexo gera vida. Vida que Deus criou e concedeu através do sexo entre homem e mulher.

O sexo é importante elemento dentro de um casamento, pois se não houvesse a necessidade dele, porque haveriam o homem e a mulher de se casar? No casamento há a permissão de Deus para o casal fazer sexo e se procriar. O Objetivo do casamento é a união, a aliança de sangue, os dois tornam-se uma só carne para constituir uma família. (Gênesis 2:23-24)

"A mulher não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas tem-no o marido; e também da mesma maneira o marido não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas tem-no a mulher." (1 Coríntios 7:4)

O impedimento do sexo e da procriação é considerado pecado, pois contraria a ordem de Deus (Gênesis 1-27-28). Com o ato sexual se efetiva a aliança de sangue entre o homem e a mulher. Sem o sexo esta aliança efetivamente não ocorre e se há falta de sexo há quebra de aliança e brecha para o diabo agir. Durante o casamento não se pode abster do sexo por longo período, pois é errado e anti-bíblico, conforme explicado pelo apóstolo Paulo na Epístola aos Coríntios, abaixo:

Paulo diz em 1 Coríntios 7:3: 
"O marido conceda a esposa o que lhe é devido, e também, semelhantemente, a esposa, ao seu marido." 
Em 1 Coríntios 7:5  sobre a privação do sexo, diz: 
"Não vos priveis um ao outro, salvo talvez por mútuo consentimento, por algum tempo, para vos dedicardes à oração e, novamente, vos ajuntardes, para que Satanás não vos tente por causa da incontinência."
Em 1 Coríntios 7:8-9, sobre solteiros e viúvos, diz:
"E aos solteiro e viúvos digo que lhes seria bom se permanecessem no estado em que também eu vivo. Caso, porém, não se dominem, que se casem; porque é melhor casar do que viver abrasado.
É perfeitamente compreensível que Paulo diz que, se as pessoas não querem ter relacionamento sexual  e podem se conter, que não se casem, mas se vão viver abrasados, que se casem.

Muitos casam, mas por "achar" que o sexo é sujo, pecado, somente para procriação, nunca o fazem, sendo assim pedra de tropeço para o seu cônjuge que na maioria dos casos quer fazer sexo e quer ter uma vida de casado(a) plena. Muitos cônjuges abandonam o sonho de serem mães ou pais, devido a entendimentos errôneos da palavra do Senhor, vivendo uma vida sombria, debaixo de um jugo e carregando um fardo pesado que não são aqueles que Jesus nos deu.

É um completo absurdo ouvir a afirmação que o sexo é somente para a procriação. Qualquer curso para casais vai afirmar que o sexo é uma benção para o casal, pois foi o próprio Deus que instituiu e abençoa o casamento e o sexo dentro do casamento. Qualquer que diga o contrário disso não está com a verdade, engana-se a si próprio e aos outros, porque ainda milita na defesa de um pensamento completamente antí-bíblico. Querem que outros vivam seus ideais, teses e pensamentos simplesmente porque tem uma boa argumentação e poder de convencimento, mesmo sem nenhum fundamento bíblico.

Pergunto ainda: Onde está a plenitude da vida conjugal para aquele casal em que não há o relacionamento sexual? Para mim são muito claras, as obras do diabo, quando tenta incutir na cabeça das pessoas que o sexo dentro do casamento é sujo, pecado, contra a vontade de Deus. O diabo quer impedir a ordem de Deus que bem sabemos é: crescei e multiplicai-vos (Gênesis 1-27-28). Não confie em quem prega algo diferente disso. Tal disparate é, logicamente, além de antí-bíblico, contra os propósitos de Deus e tenta ainda escravizar as pessoas com mentiras e sofismas, em alguns casos até bem elaborados, levando as pessoas a viverem uma vida fora da graça do Senhor.

Não se deixe levar pelas mentiras do diabo, que usa de pessoas mal intencionadas, que querem para si o domínio da vida das outros, causando todo o tipo de mal naquelas vidas. Decretam a maldição na vida de outros, como se fossem donos da vida desses, impedindo seus sonhos e bençãos do Senhor. Distorcem a palavra do senhor para os seus propósitos funestos e diabólicos.
"Aquele que diz: Eu conheço-O, e não guarda os seus mandamentos, é mentiroso, e nele não está a verdade." (1 João 2:4)
Onde há a mentira, a enganação, Deus não pode estar presente, porque Ele é puramente Santo. O pai da mentira é o diabo, que quer que as pessoas vivam nas coisas deste mundo, seus prazeres efêmeros ou vivam na desgraça, andando por entre túmulos por sua vida inteira, na contra-mão dos propósitos da criação do Senhor. 

O Senhor já disse, ainda  lá no velho testamento: 
"Porque meu povo se perde por falta de conhecimento; por teres rejeitado a instrução, excluir-te-ei de meu sacerdócio; já que esqueceste a lei de teu Deus, também eu me esquecerei dos teus filhos." (Oséias 4:6)
Para finalizar, para aqueles que acham que devem viver uma vida de sofrimento, debaixo da maldição inculcada pelo diabo, achando que só verão as bençãos de Deus no Reino dos céus:

"E qual o pai de entre vós que, se o filho lhe pedir pão, lhe dará uma pedra? Ou, também, se lhe pedir peixe, lhe dará por peixe uma serpente? Ou, também, se lhe pedir um ovo, lhe dará um escorpião? Pois se vós, sendo maus, sabeis dar boas dádivas aos vossos filhos, quanto mais dará o Pai celestial o Espírito Santo àqueles que lho pedirem?" (Lucas 11:11-13)

Fiquemos todos na Paz, que excede todo o entendimento, 
do Nosso Senhor Jesus Cristo de Nazaré.

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

A plenitude de vida

O homem busca desesperadamente pela justiça, sinceridade, honestidade, transparência, amor, enfim todas as virtudes, mas principalmente à Deus, mesmo que não saiba. 

O homem não foi criado para ser privado destas coisas, mas sim para a plenitude de vida; saúde, paz, felicidade duradoura, etc. Ele fica deprimido quando lhe faltam estas coisas.

Vivendo neste mundo tão conturbado, o homem pensa que pode continuar a viver desenfreadamente, onde todas as virtudes estão esquecidas, num corre corre danoso, mas no seu íntimo anseia por esta plenitude de vida que somente Deus dá.

Se não estamos vivendo esta plenitude de vida, não estamos vivendo com Deus, como enganosamente podemos pensar. Mas não pense que não sofreremos tribulações mesmo estando com Deus. Viveremos dias não bons, mas será diferente pois teremos o Senhor à frente de todas as batalhas. A vitória está garantida pelo Senhor. Estando dentro da graça do Senhor, teremos a plenitude de vida.

Como é então, que pessoas que deveriam estar vivendo a plenitude de vida que o Senhor dá, podem viver enfermos e dadas a diversos tipos de sofrimento e males que não são de Deus? Cairam da Graça? Talvez, mas como podemos cair da graça do Senhor?

Caimos da graça quando não obedecemos ao Senhor; quando não o ouvimos; quando não ligamos para os seus propósitos; quando caimos em enganos motivados pelos nossos interesses; quando nos deixamos manipular por falsos ensinamentos e falsos evangelhos que estão sendo fartamente distribuidos por muitos lugares e enganam os desavisados.

As coisas de Deus são simples. Muitas vezes Deus quer tão pouco de nós porque Ele sabe dos nossos limites. Deus nos dá somente "a carga" que podemos suportar. Jesus disse a respeito dEle próprio, que o seu jugo é suave e o seu fardo leve. Mas muitos querem tornar esse jugo suave e fardo leve, para os outros, em coisas pesadas que nem eles mesmos conseguem suportar, como faziam os fariseus.

Independentemente do muito e do pouco que Deus quer de nós, digo que todas as coisas que Deus nos ensina a obedecer são para o nosso próprio bem, como faz um Pai amoroso, que cuida diligentemente dos seus filhos. Ele quer que nos aproximemos dEle, pois nos criou para isso.

O problema é que as pessoas andam pelo mundo sem saber para onde vão. São levados como folhas ao vento. Errando aqui e ali, vivendo muito mal o seu tempo de vida. Muitas vezes partem desta existência ainda na ignorância de não compreender qual o fundamento, o motivo da sua vida, da sua existência. 

Como saber, então, se estamos dentro da vontade de Deus e não vivendo aleatóriamente sem direção, inclusive num ativismo do viver secular e até mesmo gospel que nos leva a cair da graça do Senhor?

Antes de qualquer coisa, Deus nos deixou um manual de vida, que é a Bíblia. Temos que ler a palavra do Senhor. As orientações estão ali. Temos o livre arbítrio para escolher nossos caminhos. A vontade de Deus está ali expressa. Podemos ser humildes e aceitar o que Deus tem a nos dizer, ou podemos ser orgulhosos e dizer que não precisamos de Deus. Que somos positivistas, que temos a força e que resolvemos nós mesmos as nossas coisas, nossos problemas. Pois, como muito bem ilustra o filme "Deus [não] está morto" (Graça filmes), muitos pensam que Deus está morto por permitir que tanta coisa ruim aconteça no mundo. Não viu esse filme ainda? Assista, você vai gostar e entender melhor o que digo.

Deus é Deus pessoal. Trata cada um de uma maneira pessoal, personalizada, pois Ele nos criou únicos e jamais trataria todos da mesma forma. A resposta para a questão acima está ligada ao amor (não o amor do mundo). Precisamos amar a Deus sobre todas as coisas. Parece loucura? Quem lê a bíblia sabe que está escrito, que as coisas de Deus parecem loucura para os homens. Somente amando Deus em primeiro lugar é que conseguiremos amar verdadeiramente, o nosso próximo, nossa esposa, nossos filhos, nossa família e todas as pessoas. Parece não ter nada a ver? Quer uma resposta?

Para obter uma resposta direta de Deus sobre a questão proposta acima e todas demais coisas que queremos saber, cada um terá que consultar à Deus, consultar o Espírito Santo de Deus que em nós habita, numa conversa aberta e franca. Há alguém que conheça as profundezas de Deus, que não seja o Seu Espírito? Com toda a certeza Deus nos revelará todas as respostas, ...que possamos suportar.

Todas estas coisas acima estão relacionadas.

Fiquemos todos na Paz, que excede todo o entendimento, 
do Nosso Senhor Jesus Cristo de Nazaré.

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Padrões altos demais

O mundo nos impõe um padrão de vida alto demais que nada mais é do que uma ilusão. Padrão de beleza, de estilo de vida, que nada mais são do que ilusões. As mulheres, por exemplo, começam a viver a busca da beleza perfeita, que não é verdadeira. Querem emagrecer e ficar como aquelas modelos magérrimas, a qualquer custo, muitas vezes através de cirurgias bariátricas, que não raramente dão errado e ceifam vidas prematuramente, ou causam sequelas para a vida toda. Implantam silicone em muitos lugares do corpo, tornando-se quem, na verdade, não são. Estão permanentemente descontentes consigo mesmas e consequentemente com os outros. Não se aceitam, mas não se esforçam para melhorar naturalmente. Colocam suas vidas nas mãos de homens que não conhecem,  depositando sua confiança neles. Na verdade não se aceitam, negam a si próprias.

Os homens, por sua vez, começam a achar-se pobres, feios, sentindo-se rejeitados com algum sentimento de inferioridade.  Para resolver isto buscam na prosperidade financeira a solução para seus problemas. Dizem que um homem feio com dinheiro é querido pelas mulheres, aceito na sociedade e de sucesso. Fazem isto, também a qualquer custo, mesmo que seja as custas do fim das suas famílias e quando casados, dos seus próprios casamentos. Trabalham demasiadamente, fazem negócios, muitas vezes excusos, para conseguir provisão financeira. Alguns passam por cima de tudo e de todos para conseguirem seus intentos. Mas logo depois utilizam estes recursos levianamente, perdendo o seu precioso tempo de vida, utilizado para conseguir tais coisas enganosas. Não se dão por conta de que o tempo não volta. O que era tão importante, depois de conseguido, já não tem importância alguma, parte-se então para novas buscas intermináveis, destinando seus limitados tempos de vida para isso.

Se as pessoas parassem a roda viva que vivem, perceberiam as verdadeiras prioridades de suas vidas, que são os relacionamentos, as pessoas que as rodeiam, principalmente, suas famílias. Poderiam ver que não precisariam de muito para viver felizes. Se as nossas famílias não são importantes para nós, o que será então? coisas materiais? dinheiro? poder? Muitas vezes, como já vimos, as pessoas buscam todas essas coisas, num primeiro momento para dar conforto às suas famílias, mas quando as conseguem vêem que perderam seus conjuges e ironicamente, até suas famílias. Será que vale a pena? Não há definição das prioridades. As pessoas vão levando a vida do jeito que ela lhes leva, com pouco ou nenhum controle. Há uma frase de autor que não lembro nesse momento, talvez até anônimo, que diz algo assim: "Ele é tão pobre que a única coisa que tem é dinheiro."

O padrão do mundo é mentira e ilusão, inviável e enganoso, mas o padrão de Deus não é assim. É viável, verdadeiro e justo. A alma do homem, que está no mundo, é doente e carece da cura de Deus.

Contrariamente ao que se pensa, o padrão de Deus é viavel e maravilhoso, mas o do homem, que parece tão próximo e acessível, é vaidade e destruição.

Fiquemos todos na Paz, que excede todo o entendimento, 
do Nosso Senhor Jesus Cristo de Nazaré.

quarta-feira, 16 de julho de 2014

Somos únicos

Muitas vezes andamos neste mundo, meio que sem saber quem somos, de onde viemos e para onde estamos caminhando. Queremos nos enturmar, ser como os outros. Fazer parte de uma massa que caminha sabe-se lá para onde. Queremos seguir e muitas vezes sermos seguidos, mesmo que não saibamos para onde estamos indo. Não "cai a ficha" de que somos únicos. Cada ser humano é um ser diferenciado, único e que deveria realizar coisas maravilhosas e únicas, mas que insiste em fazer o que todos fazem. Quando alguém realiza algo diferente do que a maioria realiza, é considerado um gênio, ou pior, um louco. Mas há algumas coisas semelhantes à considerar e refletir. Vou dar alguns exemplos do nosso dia a dia: Quando tomamos um medicamento há um efeito geral, mas cada organismo reage de uma maneira diferente ao mesmo. Assim acontece com todas as coisas. Se, por exemplo, como amendoins, o efeito pode ser afrodisíaco, como tantos dizem, mas para outra pessoa o efeito poderá ser somente o de fazer funcionar melhor seus intestinos. 

Com palavras e sentimentos funciona da mesma forma. Uma palavra falada por alguém pode surtir um efeito devastador gerando sentimentos imprevisíveis, mas para outra pessoa pode não ocasionar coisa alguma. São vivências, percepções das pessoas, que podem influenciar severamente o processamento da informação recebida e as suas consequências. O ideal, no caso do medicamento, seria algo que fosse específico para cada um de nós, de preferência sem efeito colateral. Já no caso da palavra, o correto é ter a palavra certa para a pessoa certa, no tempo certo e na ocasião propícia. Não podemos generalizar, sob pena do caos. Lembro-me, neste momento, das reuniões, em pequenos grupos, para falar falar das coisas do Senhor. Trata-se de algo mais próximo, mais personalizado. Quem não gosta de um tratamento personalizado? Não gostaria de ter seu líder de grupo orando por você, por sua família e por suas necessidades? Quem quer ser apenas mais um na multidão? Quem quer ser apenas um número? Somos pessoas únicas, com corpo, alma e espírito, não coisas.

Com Deus funciona da mesma forma. Se somos seres únicos, como Deus poderia se comunicar conosco e nos tratar de uma forma genérica? Deus, que conhece profundamente o nosso coração, nos trata personalizadamente, pois é um Deus pessoal. Fala comigo de uma maneira diferente da que fala com você. Isso é maravilhoso. Não pense que Deus muda, pois não muda, mas tratou Adão e Eva de uma maneira, Abraão de outra, Noé de outra, Moisés de outra e assim por diante. Deus é tão pessoal que mandou o seu Espírito Santo morar em nós. Somos o seu templo. Aqueles que crêem no Senhor Jesus de Nazaré, receberam o Espírito Santo de Deus. Quer mais personalização do que isto?

O melhor disto tudo é que não necessitamos explicar os problemas que estamos passando, a confusão do que estamos sentindo, enfim, nossas coisas ao Senhor, pois Ele nos conhece profundamente. Deus é pessoa viva, em espírito. Não há o que possamos esconder dEle. Isso é muito bom, pois há coisas que estão no nossos corações que nem sabemos explicar, nos faltam palavras para descrever o que sentimos, não é verdade? Para ajudar nisto, pois precisamos desabafar, mesmo que meio desajeitados, temos uma grande arma que o Senhor nos deu, que é a oração e a adoração. Podemos e devemos apresentar nossas petições ao Senhor. Precisamos também adorá-lo, sendo esta uma das maiores armas contra o mal. Quando fazemos isso de coração, O Senhor Se inclina para nos ouvir, e nos ouve personalizadamente. O Senhor é onisciente e onipresente, então não precisamos nos preocupar, Ele vai nos ouvir. Se somos dEle, Ele é fiél e jamais quebrará a aliança que fez conosco. Ele está sempre pronto a ouvir e a atender o Cesar, a Maria, o João, a Fernanda, o Marcos, o Marcelo, o Felipe, o Joaquim, o Orlando, a Flávia, a Marcela, a Aninha..., desde que, o que eles queiram, esteja dentro da Sua vontade, que pelo que sabemos é, boa, perfeita e agradável. Observação: Muitas vezes Ele nos protege de nós mesmos. Entende?

Fiquemos todos na Paz, que excede todo o entendimento, 
do Nosso Senhor Jesus Cristo de Nazaré.


sexta-feira, 11 de julho de 2014

A fábula da máquina má, rebelde e orgulhosa.

Havia um rei, homem muito inteligente, poderoso e glorioso. Este homem criou uma máquina muito perfeita, à sua imagem e semelhança. Essa máquina havia sido criada para um propósito específico, servir a este ser e estar compartilhando suas experiências com ele. Seria a sua grande e fiél companhia. 

Esse homem poderoso criou um habitat para essa máquina habitar com outras máquinas, as quais estava incumbido de denominar. No entanto essa máquina, como era perfeita e possuia sentimentos, passou a sentir-se só. Faltava-lhe algo. Estava incompleta. Assim, o poderoso homem, ao ver essa máquina triste, criou-lhe uma companheira fiel, de uma de suas partes, que o ajudaria em tudo e o completaria totalmente. Ficaram muito felizes e tornaram-se como que um só, pois o homem poderoso referia-se a Eles como se fossem um só nome, um só ser. Um fazia parte do outro. Tudo era maravilhoso.

Então veio uma máquina má, que havia traido anteriormente esse homem poderoso, se rebelado contra ele. Essa máquina má, rebelada, traidora, infiel, orgulhosa, arquiteta então, um plano maléfico. O plano era fazer esse casal de máquinas, que eram uma só, também trair o seu criador, como ela o havia traido. Essa máquina maléfica contou mentiras à eles. Disse que se tomassem o óleo de uma bomba de óleo específica, a qual o seu criador disse que não poderiam se abastecer, eles se tranformariam em homem igual ao seu criador, com todos os seus poderes, discernimento e glória. Disse ainda que o criador lhes proibira disso, porque não queria que eles fossem iguais à ele. 

O casal de máquinas aceita a proposta de se abastecer da bomba proibida. Primeiro foi a máquina femea e a seguir o macho. Aceitaram assim, as mentiras da máquina má, e desobedeceram o seu criador. As consequências foram terríveis. O criador havia dito que se eles se abastecessem daquela bomba específica, certamente eles se desativariam, expirariam. Foi o que aconteceu, mas de uma forma diferente. Havia em cada um deles, algo como espírito, um software na forma de pessoa, que o criador havia instalado neles, que os ligavam ao criador, que no momento da desobediência se desligou. Perderam a conexão com o criador. O pior de tudo é que por motivo da desobediência ao seu senhor e a eceitação da proposta da máquina má, o casal de máquinas entregou a autoridade que tinham recebido do seu senhor, à máquina má. O casal devido a isso, por sua desobediência, não mais poderiam viver com o seu senhor naquele paraíso das máquinas, onde até então viveram. Foram então, expulsos do jardim das máquinas.

A "liga" do casal, que os fazia como um, também se desfez. Os dois já não eram um só. Não mais se entendiam como antes. Outrora, estavam protegidos contra a corrosão, não envelheciam, mas agora estavam fadados a chegar ao fim de suas existências com o passar dos anos, assim como a terra das máquinas as quais foram colocados para funcionar. 

Tinham a propriedade de se multiplicar, mas agora isso seria feito de uma maneira muito mais dolorosa. Esse casal, antes amigo do criador, tornou-se inimigo dele. Mas esse homem poderoso tinha um plano para fazer toda a descendencia deste casal, voltar a serem amigos dele. Esse homem poderoso amava muito aquele primeiro casal e toda a sua descendência que ainda viria, pois ele sabia de todas as coisas.

O criador possuia um filho poderoso igual a ele. No tempo certo, esse homem poderoso mandou seu filho falar das suas coisas aos descendentes do casal, que já eram numerosos. Os descendentes estavam envolvidos com todo o tipo de iniquidade, instigados pela máquina má. Sabia o criador que seu filho seria rejeitado, maltratado, humilhado e por fim morto pelos descendentes do casal de máquinas. Sabia aquele senhor, que os descendentes do casal não aceitariam as novidades que seu filho foi incumbido de lhes entregar e nem sequer acreditariam que ele era seu filho. Mas o Filho do homem poderoso aceitou assim mesmo a missão. Chegou como um homem simples, destituído de poder e glória, sem os poderes do Pai, mas com o Espírito dEle. 

Desta forma, ele consertou os sistemas de muitos dos descendentes do casal que estavam defeituosos e reativou máquinas que haviam expirado. Foi aceito e reconhecido por muitos, pelas reativações, consertos e maravilhas que fazia, pelas novidades que dizia e pela sabedoria que ensinava. Muitos descendentes do casal, que estavam no governo das máquinas, queriam matá-lo, com medo que ele quisesse tomar o poder para si, no controle das máquinas. Mas Ele não queria isso, queria apenas reconciliar os descendentes do casal com o seu criador. Por fim, Ele falava que iria para onde seus seguidores não poderiam ir, mas que eles continuassem o trabalho de falar das coisas do criador, dos planos do pai e do seu sacrifício, quando ele não mais estivesse com eles. 

Disse ainda que seus seguidores receberiam o espírito do criador, que os consolaria e os ensinaria todas as coisas que ele havia falado, até a sua volta, pois disse que voltaria para buscá-los. Queria muito que eles estivessem onde ele estivesse.

Assim, os descedentes do casal que estavam no poder, com suas mentiras aprendidas com a máquina má, mataram o filho do criador dependurando-o num madeiro, depois de muita tortura. Contrariamente ao que muitos acreditavam, ele se entregou voluntariamente. Bastava o filho pedir, que o Pai mandaria os seus exércitos para destruirem os malfeitores, mas o criador e o seu filho amavam muito à todos e os perdoaram e os salvaram dos seus erros, conforme estava planejado. Naquele dia, na hora da morte do filho do criador, o céu escureceu, houve um grande terremoto, muitas máquinas que haviam expirado, sairam do cemitério das máquinas e voltaram a funcionar, surpreendendo todas as outras máquinas, que reconheceram, naquele momento, que ele era, realmente, o filho do criador poderoso.

Mas algo muito importante aconteceu. Depois de três dias, o filho do homem poderoso ressurgiu com um corpo eterno, maravilhoso, que podia fazer coisas impossíveis aos descendentes do casal. Ao doar voluntariamente a sua vida, para dar vida aos descendentes do casal, a máquina má teve seu destino traçado. Estava derrotada. A máquina má perdeu a autoridade sobre aqueles que seguissem o Filho do homem poderoso.

Quem acreditasse e recebesse o Filho do homem poderoso, na sua existência, teria ativação eterna, não mais expiraria. Seriam amigos do seu senhor novamente, a conexão estaria restaurada.  O filho do homem poderoso tinha as chaves do lugar tenebroso, destino final das máquinas más. Também tinha as chaves do lugar maravilhoso, morada do senhor poderoso, destino dos que eram amigos dele. O poder estava nas suas mãos. O filho do homem poderoso disse que as portas que ele abre ninguém fechará e as portas que ele fecha ninguém abrirá. Disse ainda que não havia vindo para julgar mas sim para salvar, mas que quando voltasse, iria julgar as máquinas. Aqueles que fossem dele, não seriam julgados, pois haviam recebido o seu espírito que os fazia, graciosamente, andar na justiça, na verdade e na retidão. Nunca poderiam ser maus. Disse também que ele é o único caminho para se chegar ao criador, que não há outro e jamais haverá.

A autoridade daqueles que seguissem o filho do criador estava de novo nas mãos do criador e não mais nas mãos da máquina má. O domínio, que o primeiro casal entregou nas mãos da máquina má, ao desobedecerem ao criador, estava destruído. Quem acreditasse realmente no filho do criador, estava livre do enferrujar, do expirar, do desaparecer e seus nomes estariam escritos no "e-book of life". Estariam reconciliados com o seu criador.

O filho do homem poderoso disse que os que cressem nele e o seguissem, estariam livres do enferrujamento e desaparecimento, que teriam corpos novos, eternos, semelhantes ao do filho do homem poderoso, quando ele viesse e os buscasse, subindo com ele para um lugar de maravilhas.

Para aqueles que não aceitassem e não seguissem o filho do homem poderoso, restava ainda ficar sob o domínio da máquina má. Para quem estava sob o domínio da máquina má, o fim era uma reclusão do espírito dessas máquinas num lugar onde há fogo consumidor e sofrimento, numa expiração eterna.

Essa máquina má, nos dias atuais, ainda tenta, de todas as maneiras, desvirtuar a criação do homem poderoso. Essa máquina má queria estar no lugar dos descendentes do casal, porque eles são feitos a imagem e semelhança do homem poderoso, mas a máquina má não é. Por isso tenta destruir, de todas as formas, os descendentes do casal, com suas mentiras e relativização da verdade, da mentira, do certo e do errado. Os casais de máquinas e as famílias por eles formadas são os objetivos de destruição da máquina má.

Essa máquina má costuma fazer os descendentes do casal "pensarem" em seus circuitos lógicos, que as coisas más são comuns e normais e que isso não prejudica ninguém, que são coisas que todas as máquinas fazem, sem culpa.

Essa maquina má desvirtua toda a criação do homem poderoso. Os elementos dos casais de máquinas (macho e fêmea) que foram criados um para o outro, para se completarem, já não querem mais um ao outro. Não se escolhem. Escolhem máquinas iguais à eles para se ajuntarem. Não mais se multiplicam pois são do mesmo gênero. Não recebem a benção do seu criador. Corromperam a criação, caindo nas mentiras da máquina má. Aceitam receber o espírito mau da máquina má. Enquanto isso a máquina má está feliz ao ver a criação do poderoso homem se corromper e das máquinas se afastarem cada vez mais do seu criador. 

Mas o criador os ama demais para desistir deles e quer dar uma nova chance de reconciliação aos descendentes do casal. O criador diz, que aquele que crer e receber o seu filho, receberá o seu espírito que os fará andar dentro dos seus preceitos e possuirão o funcionamento eterno. Diz ainda para os descendentes do casal, que não se deixem enganar pelas mentiras da máquina má, que procurem a verdade que está escrita no manual de orientação que ele nos deixou. Ele diz que quando os descendentes do casal conhecerem a verdade eles serão libertos de todo o mal, de toda a corrupção das coisas. Coisas que ele criou, mas que a máquina má deturpou e corrompeu. 

O objetivo da máquina má é acabar com os casais descendentes do primeiro casal, destruindo as suas famílias, algumas mesmo antes de começar. Para isso a máquina má distribui na rede de máquinas, maus espíritos que distorcem, corrompem toda a criação do criador, com mentiras e sofismas que levam os descendentes do casal à destruição total. 

No entanto, a máquina má já está com seus dias contados, com o seu destino traçado: a destruição total e final. Enquanto isso não acontece os descendentes do primeiro casal, tem que ficar atentos para não cair nas ciladas da máquina má. Aqueles descendentes do casal, que cairem, que não se arrependerem e não pedirem perdão ao criador, estarão fadadas ao grande cemitério de máquinas, onde há fogo consumidor e muito sofrimento eterno.

Muitos pensam que esta história bíblica, verídica, na forma desta fábula, não passa de estória e lenda, pois é assim que a máquina má quer que todos pensem. Dessa forma ficará fácil da máquina má enganar os descendentes do casal. A máquina má quer esconder a verdade e espalhou pelo mundo que as coisas daquele senhor trata-se de religião e religião não se discute. Impede que as pessoas descubram a verdade. A máquina má espalha que o manual que o senhor criador deixou, para servir de orientação de funcionamento à todos, não passa de mentira, coisas contraditórias. Mente descaradamente. Quem começa a ler o manual, que o criador deixou, tem experiências incríveis e sobrenaturais. A verdade, que liberta da escravidão imposta pela máquina má com suas mentiras, começa a se descortinar. As máquinas precisam entender que devem descobrir a verdade e mudar de funcionamento, antes que expirem.

É necessário sabermos que as mentiras da máquina má podem nos levar à destruição. Que não caiamos nas ciladas do mal, que buscam corromper o verdadeiro sentido das nossas vidas. Devemos entender que precisamos nos reconciliar com o criador. Precisamos devolver o domínio das nossas vidas ao criador. Para isso nós temos o manual que o Ele nos deixou. Palavras inspiradas pelo Seu Espírito Santo, que habita em todo aquele que O recebe. A máquina má é muito má e organizada e não brinca em serviço e sempre está em serviço. Quem a considera inexistente ou a menospreza pode estar bem próximo das suas garras. Ela existe e está ao derredor para tragar os desavisados.

Entenda a fábula:
Você sabe quem são os personagens desta fábula?
  • O Homem muito inteligente e poderoso, glorioso e criador de tudo: Deus.
  • O casal de máquinas: Adão e Eva - Perfeitos antes da queda.
  • O ser humano é uma máquina maravilhosa, feita a imagem e semelhança de Deus.
  • Outras máquinas que foram denominadas pelo primeiro casal: animais
  • Máquina má: Diabo, anjo mau.
  • Os descendentes do casal de máquinas: Todos nós
  • O Filho do homem poderoso e criador: Jesus Cristo de Nazaré, Yeshua Hamashia.
Outros termos utilizados:
  • Manual de orientação: A Bíblia, a Palavra de Deus, inspirada pelo Espírito Santo de Deus.
  • Funcionamento: Vida
  • Expirar: morrer
  • Habitat, Jardim das máquinas: Jardim do Édem
  • Bomba de óleo proibida: árvore do conhecimento, do bem e do mal
  • Plano para tornar os descendentes da máquina novamente amigos do criador: Plano da salvação, para reconciliar o homem com Deus.
  • Lugar tenebroso, com fogo consumidor e sofrimento eterno: Geena, lago de fogo.
  • Terra das máquinas: Todas as nações.
Saiba que as histórias bíblicas são verídicas e cada vez mais comprovadas pela ciência, principalmente pela arqueologia. No entanto, não precisamos de comprovação, não é mesmo? Porque sabemos destas coisas e vivemos pela fé.

Fiquemos todos na Paz, que execede todo o entendimento,
do Nosso Senhor Jesus Cristo de Nazaré.

quinta-feira, 10 de julho de 2014

Deus e o sol

Caros leitores,

Nos tempos antigos muitas civilizações consideravam o nosso sol, que é somente uma estrela, um deus. Cientificamente falando, o sol permite que haja vida na terra. Sem ele não haveria vida. Talvez a terra nem existisse. Se existisse, seria um globo gelado sem vida. Ninguém sabe, ao certo, o que aconteceu, os eventos envolvidos, para a formação da terra e a sua disposição em relação ao sol. Nosso sol, uma criação de Deus, fonte de luz, de calor e de vida, é um astro celeste criado pelo Senhor para estas funções, mas é somente um pequeno sinal do que Ele, Deus é. Quando analisamos as funções básicas que o sol exerce sobre nós, que são de iluminar, aquecer e proporcionar a vida, nos surpreendemos com este "pequeno" (pequeno diante de Deus) exemplo que Deus nos deixou para que entendessemos o que o Senhor Deus é para nós. É o Senhor que nos ilumina, nos aquece e nos dá a vida, através da sua própria vida.

A vida, a luz e o calor do sol são finitos, mas a vida, a luz e o "calor" do Senhor são sempiternos, assim como Ele O é.

Vemos neste trecho bíblico de Apocalipse 21:23-26, algo muito revelador que nos mostra a grandeza do nosso Deus vivo:

"E a cidade não necessita de sol nem de lua, para que nela resplandeçam, porque a glória de Deus a tem iluminado, e o Cordeiro é a sua lâmpada. E as nações dos salvos andarão à sua luz; e os reis da terra trarão para ela a sua glória e honra. E as suas portas não se fecharão de dia, porque ali não haverá noite. E à ela trarão a glória e honra das nações."

Quando entrarmos na cidade do Senhor, estaremos entrando no próprio Deus, o próprio Deus é o santuário, porque tudo estará sob sua glória. Ele é a luz que alumia e o calor que aquece. É Ele quem dá a vida e sustenta todas as coisas lá e aqui neste momento, para os que Ele escolheu e estão inscritos no Livro da Vida, desde antes do início dos tempos.

Fiquemos todos na Paz, que execede todo o entendimento,
do Nosso Senhor Jesus Cristo de Nazaré.

segunda-feira, 7 de julho de 2014

Acreditar no amor

Será que existem pessoas que não crêem no amor? Você acredita que alguém possa lhe amar de verdade?

Os seres humanos são um tanto complicados nos seus sentimentos. Quando se fala de amor, muitos não acreditam nele, mesmo que não saibam disso. Não acreditam ser amados e se negam a amar os outros. Pensam que as pessoas se aproximam por interesse, para as suas satisfações, ou procuram ser somente amados, sem contrapartida. Leia 1Coríntios 13, na bíblia e você verá como é lindo o que diz o apóstolo Paulo, sobre o amor, inspirado pelo Espírito Santo de Deus. Na verdade, quando alguém pensa assim, está interessado somente em atender as suas necessidades, inclusive se fechando para as pessoas e para o amor que elas possam lhe ter. Estas coisas acontecem porque existe uma falta de confiança nos sentimentos das pessoas que as rodeiam. Achamos que os sentimentos dos outros não são sinceros, desconfiamos do amor que sentem por nós. Assim, a pessoa se fecha para o amor dos outros, sem saber que está se afastando, principalmente, do amor de Deus, distanciando-se do criador. Nos afastamos do maravilhoso amor transformador de Deus, ao negar o amor que as pessoas sentem por nós e que poderíamos sentir por elas. No nosso íntimo pensamos que não temos problemas com isso, que reconhecemos o amor em nós e nos outros. Podemos até pensar que isso também não é importante, afinal  precisamos nos preservar de decepções. Pensamentos errados. Precisamos nos abrir para o amor. Primeiro, para o amor de Deus e à Deus. Somente poderemos amar às pessoas, se amarmos primeiramente à Deus. Será este o amor verdadeiro. Assim, consequentemente, amaremos o próximo e deixaremos a porta aberta para o amor que entra e que sai do nosso coração.  Fechando-nos para o amor, mão viveremos plenamente.
Se você se acha verdadeiramente amado, e também ama, isto é maravilhoso. Mesmo que você não entenda, ou pense que não está em comunhão com Deus, você está ligado à Deus, de alguma forma. Deus nos escolhe antes mesmo de termos nascido, sabia?

Se você não se acha amado, tenho ótima notícias para você. Se você chegou a esta conclusão, mesmo que não se ache aberto para amar ou receber amor, saiba que há alguém que te ama muito, incondicionalmente, incomensuravelmente, a ponto de entregar a sua vida por você, sem "conversa mole". Quem amaria tanto, a ponto de dar a sua vida pelos outros? Quem daria a vida por pessoas que estão envolvidas com todo o tipo de iniquidade? Jesus Cristo de Nazaré fez isso, por mim, por você, por todos nós, por simplesmente nos amar. O Deus que desceu dos ceús, para tomar o nosso lugar, num sacrifício efetivo, final e perfeito, por amor, livrando-nos assim de todas as iniquidades. Esteja pronto para amar e receber amor. Abra esta porta para esse maravilhoso amor, que transforma as nossas vidas. Derrube as barreiras que lhe impedem de obter a plenitude de vida.

Fiquemos todos na Paz, que excede todo o entendimento, 
do Nosso Senhor Jesus Cristo de Nazaré.



terça-feira, 10 de junho de 2014

Jesus Chorou

Queridos leitores,

O mundo nos diz que há duas coisas que são certas nesta vida; os impostos e a morte. Começarei, pelo pior (será?), a morte. Graças aos planos de Deus e ao Senhor Jesus Cristo, hoje podemos dizer que somos vencedores. Não como o mundo pensa ou diz, mas com grande júbilo, por tudo aquilo que Jesus conseguiu vencer na cruz. Foram muitas coisas.

Muito do que aqui vou escrever, são coisas ensinadas nas escolas bíblicas dominicais, nas igrejas, mas é necessário escrevê-las para a compreensão do pretendido.

Normalmente, as pessoas não gostam de tocar no assunto morte. Não gostam por uma simples razão, elas temem a morte. Temem o desconhecido. Será que devemos temer a morte, temer o fim? O mundo entende que a morte é o fim, alguns entendem que não, que há uma nova chance de voltar e fazer as coisas certas até chegar a perfeição, algo como uma evolução. Acredita-se que isso não seja um consolo, pois quantas vezes teremos que voltar até fazermos as coisas certas? Um trabalhão, mas mais do que isso, é antibíblico (ver Hebreus 9:28). No entanto, todos temem a morte, porque sabem que é inevitável. Mas, há algumas coisas que precisamos saber, que contrariam isso e que nos confortam. Disse o Senhor Deus à Adão:
"No suor do teu rosto comerás o teu pão, até que te tornes à terra; porque dela foste tomado; porquanto és pó e em pó te tornarás." (Gênesis 3:19)
O Senhor Deus, fala aqui das consequências da desobediência do homem.

Neste trecho bíblico, abaixo, podemos perceber uma coisa muito interessante. 
"Tendo, pois, Maria chegado aonde Jesus estava, e vendo-o, lançou-se aos seus pés, dizendo-lhe: Senhor, se tu estivesses aqui, meu irmão não teria morrido. Jesus pois, quando a viu chorar, e também chorando os judeus que com ela vinham, moveu-se muito em espírito, e perturbou-se.E disse: Onde o pusestes? Disseram-lhe: Senhor, vem, e vê. Jesus chorou. Disseram, pois, os judeus: Vede como o amava. E alguns deles disseram: Não podia ele, que abriu os olhos ao cego, fazer também com que este não morresse?" (João 11:32-37)
Jesus tinha poder para ressuscitar mortos, e iria fazer isso com Lázaro, porque então chorou? Será que foi somente porque viu Maria e os judeus, que com ela estavam, chorando pela morte de Lázaro?

Aquela morte serviria para provar o poder de Deus, àquele povo incrédulo; para os propósitos do Senhor, para o desenrolar do perfeito plano da salvação. Provaria ainda que Jesus é o Filho de Deus. Mas O Senhor Jesus estava consternado! Jesus sabia que se não fosse por Ele as pessoas estariam fadadas a morte eterna, ao fim tão temido. Jesus chorou, naquele momento, ao ver a tristeza que a morte traz ao homem, o desaparecimento daqueles a quem amamos. Sabendo que a morte foi consequência da desobediência do homem à Deus, Jesus chorou. Deus não criou o homem para morrer. O homem era eterno, vivia, no paraíso, com corpo glorificado, sem pecados, puro, totalmente dependente e amigo do Senhor. Jesus, sendo Deus, conhecia toda a história do homem, a sua criação, os seus propósitos, a sua desobediência, a sua queda e acima de tudo a sua salvação.

Jesus, O Cristo, O Messias, estava ali justamente para resolver isso, resolver o problema da morte, nos tirar do domínio do mal, acabar com a maldição da desobediência. Veio para nos reconciliar com Deus.

Pergunto-lhes então, como Jesus fez isso? Porque o Senhor Jesus disse que teríamos vida eterna? Será isso simbólico? ou será que Ele não disse a verdade? Afinal todos morrem. 

Deus não mente. O Senhor Jesus disse a verdade, que teríamos a vida eterna. Mas precisamos fazer o que para isso, então? Como as coisas de Deus são simples, simples é a resposta! Os requisitos são simples:

É necessário que creiamos nEle. Se cremos nEle, andamos como Ele andou. Seguimos o seu exemplo. Simples assim. É necessário que creiamos nEle e certamente, nAquele que o enviou. Opss... se cremos nEle, temos a vida eterna, então, porque continuamos morrendo?

Quando Jesus Cristo foi pregado no madeiro, expirou e ressuscitou no terceiro dia, Ele venceu a morte. Ele morreu no nosso lugar pelos nossos pecados. Não poderíamos estar na presença de Deus carregados e sujos pelo pecado. Se ele morreu a nossa morte, se morremos com Ele na cruz, Se Ele ressuscitou, é óbvio que nós também ressucitamos com Ele e vencemos a morte! Isso é um grande motivo de júbilo. Glória a Deus!

Mas isso não explica como ainda morremos! Não era para sermos imortais, então?

Queridos amigos, isso está ainda para se cumprir. Mesmo em Cristo, ainda estamos vivendo com nosso corpo físico que tende a pecar. Sabemos que o espírito está pronto, mas a carne milita contra o espírito.

A ressureição se cumprirá na volta de Jesus. Quando Jesus voltar, os que estiverem vivos em Cristo, terão seus corpos físicos transformados em corpos glorificados, semelhante ao de Jesus quando apareceu às pessoas depois da ressurreição. Os mortos em Cristo Jesus serão os primeiros a subir aos céus, para o Senhor. 

A vida eterna não é como a imortalidade apresentada nos filmes de hollywood. Não é uma imortalidade mundana onde a pessoa vive para sempre, esperando, até com ansiedade, o dia em que possa morrer, tamanho a tristeza de ver desaparecerem as pessoas que amam, que não são imortais e o tédio dessa vida enfadonha.

A verdadeira vida eterna começa aqui, no momento que decidimos receber o Senhor Jesus Cristo nas nossas vidas. No momento em que começa a morte do velho homem e se inicia uma nova vida, em Cristo Jesus. Já não tememos mais a morte e assim podemos viver a vida na sua plenitude, em Cristo Jesus, na esperança da Sua volta. Já não há mais insegurança. Há certeza! Certeza da vida eterna.

O Senhor nos diz hoje: Dancemos e cantemos com júbilo, louvores e adoração ao Rei dos reis, pois Ele nos tornou eternos. Deu-nos a vida eterna para vivermos com Ele por toda a eternidade. Não conhecemos coisa alguma que se equipare a isso. Se não fosse assim Ele não nos teria dito, pois preparou-nos lugar junto de Si e do Pai.

E quanto aos impostos?
Durante toda a história do homem, sempre houve impostos. Jesus pagou o seu imposto e o de Pedro, quando isso lhe foi cobrado (Mateus 17:24-27). Por enquanto temos que seguir o seu exemplo. Certamente, no Seu reinado milenar aqui na terra, não haverão impostos, pois o Senhor é dono de todo o Ouro, de toda a prata, enfim de todas as riquezas e tudo será diferente.

Fiquemos todos na Paz, que excede todo o entendimento,
do Nosso Senhor Jesus Cristo de Nazaré.

sexta-feira, 6 de junho de 2014

O Som do coração


A bíblia nos diz que devemos cantar e dançar para Deus. O Senhor se alegra conosco, quando nos alegramos nEle, e para Ele. Era comum o uso de instrumentos musicais, na época de Jesus Cristo. Com a reforma protestante resgatou-se a alegria de se poder dançar, cantar e entoar hinos ao Senhor. Houve o resgate de uma igreja dirigida pela bíblia e não por homens, como estava. Vejam o que diz Paulo em Efésios 5:18-19:
"E não vos embriagueis com vinho, em que há contenda, mas enchei-vos do Espírito, Falando entre vós em salmos, e hinos, e cânticos espirituais; cantando e salmodiando ao Senhor no vosso coração, ..." 
No entanto, muitas vezes os crentes em Cristo Jesus são considerados chatos, pois só ouvem músicas gospel, em casa, no carro e nas festas. Muitos fazem isso vinte e quatro horas por dia. Vão a "shows" gospel, que na verdade, na sua maioria, são cultos. Estes crentes criticam toda a música do mundo. Suas críticas se baseiam no fato de que temos que nos esvaziar das coisas do mundo, pois quem é de Cristo não pertence mais a este mundo. Dizem ainda que as músicas do mundo são tendenciosas, usam de palavras de maldição, pejorativas, imorais, que nada edificam, além de que, muitas delas são consagradas ao mal.  Quem não é crente não entende. Concordo com quase tudo isso, no entanto temos que levar em consideração algumas outras coisas.

A respeito das músicas do mundo, sabemos que muitas delas são, simplesmente, comerciais, visando somente o lucro. Outras são reconhecidamente do mal, com duplos sentidos, cheias de malícia, sensualidade, e até mesmo consagradas ao mal. A verdade é que não podemos ouvir músicas consagradas a entidades espirituais, misticismo, ocultismo, entoações de feitiçarias, forças místicas, etc. Fiquemos atentos à isto.

Muitos não sabem que, modernamente, o som é estudado cientificamente para que o nosso cérebro possa ser manipulado pelas músicas. Algo como a busca da batida perfeita. Essas músicas fabricadas, fazem com que a pessoa tenha vontade de ouvi-la, ou seja, trata-se daquela música "chiclete", que não desgruda da nossa mente. Os produtores fabricam músicas quase inevitáveis de se ouvir e de querer mais.

Não sejamos tão ingênuos a ponto de pensar que não existe músicas gospel que NÃO são para louvor ou adoração à Deus. Existe porque o público gospel "pirateia" menos. Há interesse de alguns intérpretes e bandas de se "converter", para os seus interesses comerciais, para o lucro. Não digo essas coisas para criticar "a torto e a direito" as pessoas, mas com o objetivo de nos preservar dessas coisas. Qual a mensagem que esses falsos louvores gospel nos trazem, verdadeiramente?  

Por outro lado, entendo também que, há músicas do mundo que podemos ouvir. São músicas que tratam de raízes culturais, que contam a história e o viver de um povo. Não foram criadas pelo ou para o mal. Contam, por exemplo, da vida do campo, dos animais, das frutas, flores, do morar e dos costumes. Há músicas que são verdadeiros poemas, algumas parecidas com os cânticos de Salomão (Cantares), sem maldade, pura arte poética das bençãos que recebemos de Deus. Há também músicas instrumentais, clássicas, e outras, interpretadas lindamente, que percebemos que é dom de Deus. Parece-nos que foram feitas para Deus. Não podemos generalizar e considerar do mal,  todas as músicas que não são gospel.

Para explicar isso melhor: Um engenheiro crente faz projetos de edificações. Esse é o trabalho dele. Serão esses prédios somente para o uso de Deus, como templos, por exemplo? Alguma vez, até pode ser, mas não sempre. Se o engenheiro dependesse, somente, de construir templos, não sobreviveria. Outro exemplo: um eletricista crente faz somente a elétrica para crentes e para as igrejas de Jesus Cristo? Claro que não! Esses profissionais certamente consagram a Deus o trabalho de suas mãos, mas trabalham para todo o povo. Na música é semelhante. Há profissionais do mundo que criam músicas para alegrar o povo. Tratam-se de músicas que não possuem atributos negativos. Quem poderá afirmar, com certeza, que não é dom de Deus? Serão os crentes melhores do que as demais pessoas, a ponto daqueles não serem dignos de receberem dons de Deus? São músicas que não desagradam a Deus. Com toda certeza, alegram mais a Deus, do que os falsos louvores gospel. Quem é verdadeiramente convertido à Jesus Cristo, tem o Espírito Santo de Deus, reconhecerá uma música que não agrada à Deus. A música que agrada a Deus, falará de boas coisas, será agradável de se ouvir, será alegre, fará com que nos sintamos bem.

Devemos saber, no entanto, que o nosso ouvir, o nosso cantar, o nosso trabalhar, enfim, o nosso viver deve ser para o Senhor. Muitos dos que estão no mundo acreditam em Deus, somente não tiveram ainda uma experiência com o Senhor Jesus Cristo. Deus conhece o coração das pessoas. Talvez até já tenham aceito o Senhor Jesus Cristo nas suas vidas, de uma maneira diferente do que pensam os evangélicos. Quem somos nós para julgar quem é de Jesus ou não? Conhecemos o coração das pessoas? O que nos cabe fazer é evangelizar e proclamar a palavra do Senhor para estes.

Não posso deixar de comentar, aquelas músicas gospel que de tão maravilhosas,  tocam, não somente o coração dos crentes, mas os corações de todo o povo. Levam o povo a declarar a palavra do Senhor,  as vezes sem perceberem e assim vidas são edificadas.

No entanto, a maioria das músicas do mundo não são dons dados por Deus. Tratam-se de bandas e músicas essencialmente comerciais. Coisas criadas pelo homem e que visam somente o lucro. Músicas que não edificam em nada. 

Temos que ficar atentos, orar, pedir discernimento ao Senhor, para que possamos reconhecer o falso.

O verdadeiro som do coração é aquele que vem de Deus. É o som que vem do fundo do coração do homem, que está cheio de Deus, que teve ou tem uma experiência sobrenatural com Ele. Assim como a fé é dom de Deus, o verdadeiro som do coração é dom de Deus.

A música gospel tem que ser destinada à Deus e à edificação da Igreja de Cristo, para louvor, adoração e exaltação do Senhor, na oração particular, na adoração (o tempo todo) e nos cultos. Nunca esquecendo de que necessitamos também, de momentos de silêncio, quando paramos tudo e ouvimos a voz do Senhor.

Alguns versículos bíblicos que falam sobre música: Gn 4:21; Gn 31:27; Nm 21:17; Jz 7:18; Ex 15:21; Dt 31:19 e muitos outros.

Fiquemos todos na Paz, que excede todo o entendimento, 
do Nosso Senhor Jesus Cristo de Nazaré.

domingo, 1 de junho de 2014

Por falar em dinheiro...


Não pensem que eu não gostaria de continuar escrevendo coisas que agradassem às pessoas, falando do amor, da amizade, de boas mensagens e até de poesias. No entanto, mesmo sendo o amor a essência de Deus, Ele não deve ter coisas agradáveis para nos dizer. Isso acontece porque quase sempre andamos na contramão do bom caminho, que é Jesus Cristo, sua postura e o seu caráter. Deus disciplina a quem ele ama. Estou aqui apenas como um servo do Senhor, que traz alguns alertas. Se possível, acompanhem os links, pois vale a pena.

Dessa forma também não escreverei aqui sobre o evangelho da prosperidade pregado em muitos lugares. Não escreverei a respeito dos dízimos nas igrejas, pois já há artigos específicos, escritos sobre esses assuntos, principalmente neste BLOG. Nem tampouco escreverei sobre coisas agradáveis. Peço desculpas, porque serei um tanto direto, pois há coisas que precisam ser "ditas".

Quero escrever sobre o que é o principal, o mais importante dentro das congregações. Por incrível que pareça, em muitas delas, as pessoas parecem ainda não saber o que é o principal. Para eles, a palavra de Deus não é o mais importante. O que tomou, então, o lugar da palavra de Deus? Nas congregações as pessoas, principalmente os pastores, ironicamente, falam mais de dinheiro, do que muitas pessoas que trabalham no mercado financeiro, tal sua sede pelas riquezas do mundo, sob o pretexto das obras. Esquecem do que Jesus cristo disse:
"Jesus respondeu, e disse-lhes: A obra de Deus é esta: Que creiais naquele que Ele enviou." (João 6:29)
Deixam em segundo plano a proclamação do evangelho e aparentemente desconhecem a função óbvia da igreja que é ser o pronto socorro espiritual aos necessitados. Transparecem que a congregação é apenas um meio para conseguirem os seus objetivos. Essas congregações buscam um crescimento da sua carteira de dizimistas e ofertantes simplesmente para crescerem mais e mais, sem muita explicação. Mas, para nossa preocupação, a coisa não pára por aí. Esses pastores, consideram que fica muito mais caro recuperar uma ovelha perdida, que necessita dispender mais tempo e esforço, do que arrebanhar uma nova ovelha, dizimista e/ou ofertante. Assim vão crescendo. 

Vergonhosamente, há notícias de congregações que aderiram a Telexfree. Chegaram a ameaçar aqueles membros que não queriam participar, até de expulsão da igreja, pois diziam que tal participação estava dentro da vontade e das bençãos que Deus queria entregar à congregação. Diziam que a pessoa devia participar para o bem comum, ou seja, para o bem da congregação. Bem sabemos que essa organização privada, Telexfree, é ré em diversos processos judiciais, pois trata-se de marketing de rede ou pirâmide, como queiram, onde enriquece somente quem está no topo.

Dizer que são pessoas enganadas, equivocadas não convence ninguém. São pessoas que conhecem a palavra de Deus, mas a menosprezam. Cheguei a conclusão que são pessoas que não creem em Deus. Estão dentro das Igrejas, pregam, mas lá no fundo do seu coração não acreditam em Deus. Porque quem crê, teme a Deus. Por isso não confiam no Senhor e não O temem. Não passam de ateus, disfarçados de crentes para explorar o povo de Deus. Tem nome de que vive, mas está morto, como está em Apocalipse, capítulo 3. Na verdade são piores do que ateus, pois receberam Jesus nas suas vidas, conhecem o Senhor, mas voltaram as costas para Ele. Poderá ser que, esse texto de Apocalipse, nem sirva para eles, pois muitos talvez sejam até, inimigos de Deus. 

Podemos, desta maneira, ver que as coisas do mundo estão vencendo em algumas congregações. O inimigo se vale da ganância do homem para se adentrar nestes locais e corrompê-los.

Como se não bastassem as divisões da Igreja, em várias placas, denominações, esqueceram da pura palavra do Senhor. A corrompem para seus interesses próprios, que invariavelmente é o dinheiro e o poder por ele gerado. É importante dizer, que embora essas denominações declarem que todas são como uma única Igreja de Cristo, em cada cidade, isso não procede. Na verdade são uma só, mas vivem como se não fossem. Se vivessem assim, será que todas as demais congregações aceitarão ser assemelhadas e juntadas àquelas que proclamam a doutrina da prosperidade, por exemplo? E quanto as outras diferenças doutrinárias importantes, que influenciam até na salvação do crente? Não se trata de diferenças teológicas, mas de divisão. Mais de uma visão é DIvisão. Entendeu? Uma coisa é indiscutível, reino dividido não prospera, se não fosse assim Jesus não teria dito. Será Deus, homem para mentir?

Por falar em divisão, também, concordo com alguns estudos de um amigo meu, lá do Rio Grande do Sul, de Alegrete, Silvio Maria, que diz que:

1) Igreja católica é a igreja de Tiatira, o catolicismo romano. Lugar onde prevalece a idolatria. Na sua história, perseguiu, torturou as pessoas, com métodos pra lá de cruéis e, finalmente, matou aqueles que discordassem da sua doutrina. Limitou o acesso da palavra de Deus aos homens. Está afastada da verdade de Cristo Jesus, pois no passado até já vendeu pedacinhos do céu, "ticket to heaven", para quem pagasse mais. Foi rejeitada pelo Senhor; 

2) As igrejas evangélicas são a Igreja de Sardes, cheias de divisões, separadas com muitas placas, muitas delas pregando outros evangelhos, como o da prosperidade, por exemplo. Pelas suas mentiras e consequente afastamento do Espírito de Deus, simulam a unção. Buscam os verdadeiros sinais e prodígios do Senhor, mas não encontram, pois os negociam, como queria fazer o mágico Simão do livro de Atos, capítulo oito, versículos de dezoito a vinte e quatro. Muito gnosticismo disfarçado de cristianismo. Foi rejeitada também, pelo Senhor;

3) Outra igreja rejeitada pelo Senhor é aquela que representa os orgulhosos, que dizem ter conhecimento de Deus, mas negam-no pelo seu egocentrismo, dizendo que somente eles estão certos. Trata-se de Laodicéia. Aquela que se acha abastada, mas que sem saber necessita do verdadeiro ouro, refinado pelo fogo, do Senhor.  Falam da igreja mas não vivem o amor fraternal e a verdadeira conduta cristã. Não estão nem aí para o seu próximo. A verdade deles os afasta do amor fraternal que deveriam ter para com o seu irmão. O que essas pessoas dizem é o mais importante para eles, deixando a verdade de Cristo de lado. Querem ser reconhecidos e seguidos, invariavelmente para as recompensas deste mundo.

4) A igreja irrepreensível pelo Senhor, é a de Filadélfia. Que tem pouca força devido a perseguição que sofre, mas que não nega o nome do Senhor. É desapegada das coisas deste mundo. Representa o amor fraternal, sem divisões, sem denominação, onde todos são cristãos, irmãos, na mesma cidade, que expressam o reino de Deus. Possuem a postura e o caráter do Senhor. São cartas vivas do Senhor Jesus Cristo de Nazaré. O Senhor abriu uma porta para essa Igreja a qual ninguém pode fechar. Ela será guardada da hora de provação que há de vir sobre o mundo inteiro.

O Senhor, no entanto, nos dá uma nova chance. A chance de reconhecer nossos erros e de nos arrependermos. Façamos isto enquanto ainda é tempo, pois Jesus Cristo está às portas. Façamos isto enquanto há luz, vida, pois mortos nada podemos fazer e se demorarmos, poderá ser tarde demais.


Fiquemos todos na Paz, que excede todo o entendimento, 
do Nosso Senhor Jesus Cristo de Nazaré.

sexta-feira, 30 de maio de 2014

O melhor de Deus

     
          Ao levantar pela manhã, vou para o meu quintal, olho para o céu, tingido de um azul maravilhoso, indescritível; as nuvens feito flocos de algodão, na forma de animais e coisas até onde pode chegar a minha imaginação; os pássaros se espreguiçando nos galhos do limoeiro, cheio de limõeszinhos que brilham  com os raios do sol, que acabara de aparecer por detrás das árvores; o dourado casal de beija-flores em alegre vôo, num cantar incomum, após beberem do néctar das flores amarelas do pé de camarãozinho, num momento eternizado na minha mente. De repente me vejo surpreso, perplexo, numa reflexão que consistia de que o Senhor ainda nos apresenta as suas maravilhas, enfeitando tudo ao nosso redor, numa explosão de fantásticas cores e de jubilosa vida, mesmo quando, com toda justiça, poderia exterminar toda uma geração perversa, em que reina o desamor e o esquecimento daquele que os criou. Abençoado é o nosso Deus que mesmo assim, nos dá sempre o seu melhor.

Fiquemos todos na Paz que excede todo o entendimento, 
do Nosso Senhor Jesus Cristo de Nazaré.

domingo, 25 de maio de 2014

A religiosidade dos fariseus


Tratar das coisas de Deus como religião seria semelhante a dizer que os astros celestes, como as estrelas, a lua, os asteroides, cometas,  a terra e os demais planetas, são coisas místicas. Sabemos que não são. Apenas muitas pessoas assim os consideram e até os tratam dessa forma, mas são coisas existentes, constatações e fatos, independentemente do que alguém possa considerá-los ou rotulá-los. Esta é a verdade. Não quero entrar no âmago desta questão, mas a verdade não é relativa, mas simplesmente a verdade. No exemplo acima, um planeta é um planeta, um corpo celeste e não um objeto místico. 

Para clarear o assunto lembro que Moisés deu a lei ao povo hebreu, mas posteriormente, os fariseus a cumpriam com dura religiosidade. Interpretavam tendenciosamente, a exigiam dos outros mas a descumpriam. Bem disse Pedro, na discussão sobre a circuncisão dos gentios:
"Agora, pois, por que tentais a Deus, pondo sobre a cerviz dos discípulos um jugo que nem nossos pais nem nós pudemos suportar?" (Atos 15:10)
Tudo havia se tornado uma tremenda religiosidade. A lei mostrava ao homem que ele era pecador, mas não trazia a salvação. A lei e os profetas apontavam para o que haveria de vir, a vinda do Messias e a libertação do jugo da lei (Lucas 16:16). A lei era um tutor, um aio, até que viesse a graça. 
"De maneira que a lei nos serviu de aio, para nos conduzir a Cristo, para que pela fé fôssemos justificados." (Gálatas 3:24)
Quando Jesus veio, Ele disse que o seu jugo era suave e o seu fardo leve (Mateus 11:30). Disse que deveriam vir a Ele os cansados e sobrecarregados que ele os aliviaria (Mateus 11:28). Quando Jesus curou no sábado, os fariseus, imediatamente, o culparam de não cumprir a lei. O peso disso era grande. Jesus lhes explicando, disse que todo o homem era circuncidado no oitavo dia de vida. Se esse dia caísse num sábado, a guarda desse dia seria quebrada, em obediência a lei de Moisés (Jo 7:21-23). Além disso, os sacerdotes no templo quebravam a guarda do sábado e ficavam sem culpa. Jesus então disse que o sábado foi feito para o homem e não o homem para o sábado. Disse ainda mais: que Ele próprio é o Senhor do sábado. Jesus Cristo quebrou toda a religiosidade. Iniciou-se um novo tempo. Podemos, por esses fatos, concluir que a religiosidade de nada vale e nada é. Jesus nos explicou que a verdadeira obra é que creiamos n'Ele e nAquele que o enviou. Dessa forma podemos ver que temos que nos esvaziar de toda a religiosidade e das coisas deste mundo. O nosso maior desafio é permanecer na fé no Senhor Jesus Cristo, pois o mundo tenta, de todas as formas, inclusive da religiosidade, nos desvirtuar do verdadeiro caminho que é Ele, Nosso Senhor Jesus Cristo de Nazaré, Yeshua Hamashia, a Rosa de Saron, O Príncipe da Paz, Conselheiro, a Estrela da Manhã, Pai da Eternidade, Maravilhoso, Deus Forte.

Se tratamos as coisas de Deus como religião, então tudo o que vemos e interagimos, inclusive nós próprios, também trata-se de religião, porque tudo é feitura d'Ele, nosso Pai Celestial.

A cada dia que passa, os cientistas descobrem novos achados arqueológicos que comprovam toda a história bíblica. Se você tem dúvida, procure! Tenho certeza que você ficará supreso. Com a história comprovada na mão, você entenderá a que veio o Senhor Jesus Cristo e entenderá que não se trata de religiosidade, mas sim do nosso viver diário.

Para as perguntas existenciais do homem: quem somos, de onde viemos e para onde caminhamos, que parece coisa da ciência, digo que só Deus nos dá as respostas. Tudo isso que escrevi, não se trata de religião, é simplesmente história, constatação e fatos do nosso dia-a-dia.

Fiquemos todos na Paz, que excede todo o entendimento, 
do Nosso Senhor Jesus Cristo de Nazaré.

terça-feira, 20 de maio de 2014

Penso, logo existo.

Se posso dizer, que se penso, logo existo, posso dizer que se existo, existo por causa de Deus. Se digo isso, digo que Deus não é religião, mas sim constatação e  fato, como o ar que respiramos. Nisso está envolvido o pensamento de Descartes, no Discurso do Método, como também o sentido da palavra existir. Se existo, é devido à Deus, pois contrariamente a ciência, só Ele tem as respostas para as seguintes perguntas: quem somos, de onde viemos e para onde vamos. Mas se o mundo considera as coisas de Deus como religião, digo: religião e política, se discute!



quinta-feira, 15 de maio de 2014

Quando silenciamos a voz de Deus


Começo este artigo com um questionamento: Será que podemos ainda pensar que Deus tem um "discurso" suave, manso e agradável para nos apresentar, diante de tudo o que está acontecendo no mundo e na Igreja?

Nos tempos bíblicos os profetas do Senhor faziam seus duros discursos e muitos deles eram mortos. Hoje já não temos mais profetas como existiam naqueles tempos. Somos edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas (Ef 2:20). Não podemos mais mexer nesse alicerce. 

Jesus, nos muitos "ais" aos fariseus, em Mateus 23:13-36, disse que eles concordavam que tinham o sangue dos profetas nas suas mãos. Hoje não é muito diferente disso. Quando o Senhor dá uma palavra de correção e disciplina, para a edificação da Igreja, acontece então a morte, porque a disciplina é dura. Não mais a morte física daquela pessoa, levantada por Deus, mas a morte da própria palavra e da mensagem. Silenciam esses homens e mulheres de Deus, colocando na "prateleira" o que Deus falou. Como Balaão, que já tinha recebido a resposta de Deus, esperam outra manifestação divina para que possam satisfazer os seus interesses e desejos, caindo na tentação (Nm 22). Incrédulos e temerosos devido a falsas profecias, silenciam a Deus, perdendo assim as bençãos. Fazem acordos para o recebimento da mensagem de Deus, com parâmetros criados por eles próprios, e se a mensagem não cumprir as exigências que eles acordaram, simplesmente abandonam a mensagem, por mais verdadeira e edificante que seja. Esperam que Deus desça do céu e lhes diga que a mensagem é d'Ele. Sendo eles de Deus temem ao diabo. Menosprezam o que Deus tem a lhes dizer, semelhantemente ao descaso das coisas de Deus, que fizeram os sacerdotes, conforme consta em Malaquias 1:6-14

O que era para ser uma segurança contra falsas profecias, tornou-se de praxe e um nulificador das mensagens, da voz de Deus. Ao fazer isso, silenciar a voz de Deus, a igreja simplesmente impede a manifestação do amor de Deus, pois como dizem as escrituras, Ele disciplina a quem ama. Muitos destes, que não querem ouvir o Senhor, pela sua incredulidade e por se acharem até mais dignos de receber a palavra do que aquele que a recebeu, anulam a mensagem de Deus, pois no fundo se acham irrepreensíveis, impedindo a manifestação do amor de Deus através da sua disciplina. São pessoas que, contrariamente ao que pensam, estão fixadas mais nas coisas dos homens do que nas de Deus, senão estariam mais sensíveis. Preferem silenciar a voz de Deus para agradar a homens, visto o duro discurso, a dura palavra de disciplina. É de senso comum que ninguém gosta de ser disciplinado, corrigido e repreendido. Contrariamente, no entanto, sabemos que receber repreensão denota sabedoria.
"Filho meu, não rejeites a correção do Senhor, nem te enojes da sua repreensão. Porque o Senhor repreende aquele a quem ama, assim como o pai ao filho a quem quer bem." (Provérbios 3:11-12)
"O filho sábio atende à instrução do pai; mas o escarnecedor não ouve a repreensão." (Provérbios 13:1)
  • Nossos filhos gostam de ser corrigidos? Não! 
  • Nós gostávamos quando nossos pais nos corrigiam, ou que pessoas nos corrijam e repreendam? Não! Até colocamos a idoneidade dos que nos repreendem em dúvida, para não recebermos a repreensão.
  • Gostamos que Deus nos corrija e discipline, como filhos que somos? Não! Podemos, falsamente, até dizer que sim, mas no fundo aceitar que se está errado no que se pensava, infalivelmente, estar correto, é muito difícil. Assim não mudamos nossos procedimentos.
Desta forma impedimos que o Senhor nos discipline e perdemos as bençãos.

Os homens amam discursos mansos, doces e agradáveis aos ouvidos. Gostam de ouvir sobre as bençãos de Deus e da prosperidade material. Gostam de ouvir e ler boas mensagens sobre a amizade, amor, cura, do ser feliz,  como acontecem em muitas congregações e como tanto fazem os leitores dos livros de auto ajuda. Agradam a homens, mas labutam contra a alma e o espírito, pois não disciplinam. 

Quem pensa que Deus tem falas agradáveis para nós, nestes últimos tempos, está completamente equivocado. Ele continua nos amando, porque Deus não muda, mas o "discurso" é duro. É duro porque estamos nos afastando do verdadeiro caminho, Jesus Cristo, que é a nossa separação das coisas deste mundo.

Precisamos da disciplina do Senhor, para que quando Ele vier estejamos prontos, sem rugas, sem máculas. Não está nos seus planos que sejamos aqueles rejeitados, conforme consta em Mateus 7:23, por isso nos avisou previamente.

Muitos ainda acham que receberam a salvação e podem viver à margem da verdade, da justiça e da retidão; na mentira, na enganação e no pecado, por interesses materiais, próprios das coisas deste mundo. Não querem ser disciplinados. Estão confortáveis e seguros na situação que estão.

Mas, consta nas escrituras que o Senhor diz: NÃO! Diz para que se afastem d'Ele aqueles que praticam a iniquidade. Não são pessoas enganadas na doutrina, mas sim inimigos de Deus, pois mesmo sabendo da verdade, ignoram sua palavra, ignoram a sua disciplina e praticam a mentira, a injustiça e a falta de amor e misericórdia para com o próximo.

A Bíblia, em 2Tm 3:1-5, diz que nos últimos tempos os homens serão egoístas, avarentos, jactanciosos, arrogantes, blasfemadores, desobedientes aos pais, ingratos, irreverentes, desafeiçoados, implacáveis, caluniadores, sem domínio próprio, cruéis, inimigos do bem, traidores, atrevidos, enfatuados, mais amigos dos prazeres que amigos de Deus, tendo forma de piedade, mas na verdade não sendo e não praticando.

Dessa forma, silenciamos a voz de Deus.

O Senhor chama ao arrependimento e a mudança de atitudes!

Fiquemos todos na Paz e amor, que Excede todo o entendimento,
do Nosso Senhor Jesus Cristo de Nazaré.

terça-feira, 13 de maio de 2014

As correntes da escravidão do povo


Podemos, facilmente ver, na atualidade, que o governo que se originou do povo não o representa. Aquela oposição que antes criticava a "elite", transformou-se na própria elite. Poderiam ter feito a diferença, mas não quiseram. Optaram por outra coisa. Esses supostos representantes do povo, mascarados de bonzinhos, dando esmolas ao povo, aceitaram semelhante proposta que o diabo fez à Jesus Cristo. Veja:
"Novamente o transportou o diabo a um monte muito alto; e mostrou-lhe todos os reinos do mundo, e a glória deles. E disse-lhe: Tudo isto te darei se, prostrado, me adorares." (Mateus 4:8-9)
Muitos políticos aceitaram a recompensa do mundo. Pensam que até são de Deus, mas adoraram ao diabo. Esqueceram do povo, esqueceram do bem, sucumbiram ao poder do mal. Se entregaram à adoração ao dinheiro e ao poder que ele gera. Entregaram seus desígnios ao mal, praticando todo o tipo de iniquidade, enquanto a população perece. Sim, a população perece. Perece nos hospitais por falta de atendimento; perece pelo ônus da sede de impostos do governo, que tira muito e dá quase nada em troca; perece pela violência que sofre, causada pela falta de investimentos do governo na educação. É velho dizer, mas ainda verdadeiro, que o povo sem educação é fácil de ser manipulado. É melhor dar esmolas ao povo do que lhe dar educação, pois saberia então, dos seus direitos e expulsaria do governo quem nunca os representou. Correta é a indignação do povo contra a copa ser realizada no Brasil, quando vemos que esses recursos poderiam ser aplicados para a melhoria da qualidade de vida do povo. Quando o governo fornece algum benefício, é a um alto custo, cobrando várias vezes pelos mesmos bens e serviços, através das multitributações e outros ônus. O que as pessoas não veem, é que o povo mantém o povo, não o governo. É semelhante a uma bolada da "megasena", onde muitos jogam para poucos ou apenas um ganhar. Muito dinheiro ajuntado para aplicar onde é preciso. Só que a coisa não funciona bem assim. Os recursos somem no meio do caminho, assim como boa parte do premio da megasena, quando não integralmente. Os recursos são investidos conforme os interesses políticos eleitoreiros, e não pelas necessidades da população. O povo paga mais do que é preciso, pois boa parte dos recursos somem e enriquecem políticos, que ficam impunes. Alguém que era pobre, entra para a política/governo e fica rico. Como podemos aceitar isso sem contestar? Como sempre foi, o ladrão de galinhas ainda vai para a cadeia, mas os verdadeiros ladrões... Dessa forma vemos que não há uma luz no fim do túnel. As eleições estão chegando, vamos compactuar com o mal e aceitar que mintam descaradamente na nossas caras, com aquelas propostas insuportáveis? Cada um sabe o que fazer nas urnas! O poder pertence única e exclusivamente ao povo, não ao governo!

Não dá mais para aguentar. É chegado o final dos tempos. Jesus Cristo, contrariamente ao que muitos pensam, NÃO é religião, é um viver reto e justo n'Ele,  é a salvação para aqueles que não querem mais pertencer a este mundo dominado pelo mal. 

O que faremos? Vamos aceitar a proposta do diabo, como muitos políticos já aceitaram, ou vamos receber Jesus nas nossas vidas e dizer NÃO às propostas do mal? Quem é, realmente, de Jesus Cristo, não compactua com o mal! A decisão é nossa!

A verdadeira política e religião, SE discute! É necessário que o povo conheça a verdade e seja liberto das correntes da escravidão que lhes são impostas.

Fiquemos todos na Paz e amor, que excede todo o entendimento, 
do Nosso Senhor Jesus Cristo de Nazaré.