Compartilhe

segunda-feira, 7 de abril de 2014

Um espírito sabotador muito estranho

Muitas vezes nos deparamos com os nossos próprios atos, que cometemos quase inconscientemente. Quando alguém nos faz algo que pensamos ser injusto para conosco, já nos imaginamos defendendo essa causa diante de um juiz, ou de alguém que nos ouça a quem possamos explicar o mal que nos fizeram, a injustiça a que fomos submetidos, como fomos prejudicamos e o quanto somos coitados.

Esperamos assim, que essa pessoa fique do nosso lado, nos dê razão e sentencie o desafeto a alguma punição, mesmo que seja somente o prejuízo da sua imagem. Procuramos um ombro para chorar as nossas mágoas e esperamos que essa pessoa se compadeça da nossa situação e chore conosco lágrimas abundantes. Não acontece assim? A bíblia nos diz em Romanos 12:15: "Alegrai-vos com os que se alegram; e chorai com os que choram;", mas não nos diz para sermos concordantes com o espírito de vitimização nos outros e em nós mesmos. Este é um fato revelador, o dano que causa o espírito de vitimização e o tanto que ele nos impede de recebermos as abundantes bençãos de Deus.

Esse espírito de vitimização transforma-nos em coitados. Essas coisas não devem existir nas nossas vidas. É chocante quando ficamos contentes quando alguém nos entende e se coloca a favor da nossa causa dizendo: coitado, você tem razão, que situação! Sabe o que significa coitado? trata-se de alguém que sofreu coita, ou seja, uma desgraça, dor, pena ou aflição, desgraçado, pobre, mísero, infeliz, traído, embora em alguns dicionários, erroneamente, tratam a palavra significando o ato de coito, alguém que sofreu um ato ou até uma violação sexual.  Alguém que sofreu essas últimas coisas, certamente também foi chamado de coitado(a), num uso geral da palavra. Como podemos ver, trata-se de uma palavra pejorativa que não deveríamos permitir que nos fosse proferida, pois realça a desgraça, quando, na verdade, precisamos de solução e renovo.

Aquele que se deixa "levar" pelo espírito de vitimização, que gosta de "se fazer de coitado", de se "manter um coitado", de se fazer de "vítima", de injustiçado, ao contrário do que pensa, está no caminho da destruição, por diversos motivos. Entre eles destaco alguns, que me vem agora a mente:

Estaremos vulneráveis ao ataque do mal e de inimigos disfarçados; alguns terão compaixão genuína de nós, mas outros no fundo estarão satisfeitos com o nosso, digamos, "infortúnio";  perderemos um tempo importante nos achando vítimas, enquanto deveríamos estar trabalhando na superação e oferecendo o perdão; mas o mais importante, ao aceitar esse espírito de vitimização, estaremos bloqueando as bençãos de Deus, quer saber porque? Todos sabemos que quase na totalidade, há primeiro uma desconstrução do que estava mal construído,  do que parecia estar certo mas estava errado, para o recomeço, para a restauração, para a construção correta, do que antes era problemático e fracassou. Quantos "fundos do poço" já ouvimos falar antes de uma vida abundante?  Deus permite que haja essa desconstrução para que uma nova construção, com alicerces firmes possa ser erigida. No entanto se assumirmos o espirito de vitimização e não superarmos as tribulações, ao ficarmos chorando as mágoas pelos cantos, como receberemos as bençãos, as novidades que Deus já nos deu se não tomamos posse? 

Temos que confiar em Deus, que ele tem o melhor para nós e que Ele está no controle de todas as coisas.  Pense nisso! Lembre-se de Jó, leia ou releia o livro mais antigo da bíblia, que se tem notícias, e veja um dos maiores exemplo de superação e restauração da história.

Um outro ponto que carece de exposição, é que sempre "puxamos brasa para o nosso assado", ou seja defendemos a nossa causa com interesse. É necessário que pensemos também, que podemos estar errados. Será que foi somente a outra pessoa que errou? Será que nós não participamos com algo para a situação que se criou? Somos tão perfeitos assim? Claro que não! 

Escrevo à vocês sobre essas coisas porque já passei por isso. Aprendi, que temos que superar as situações ruins, perdoar e tirar da "cabeça" (mente) aquela voz que tenta explicar, debater, o porque fomos injustiçados, defendendo a nossa causa, como um advogado faria diante de um juiz, que incrimina aquele que nos "ofendeu". Quando temos a oportunidade de alguém nos ouvir, cai um rio de lamúrias que visam obter apoio para a nossa causa e receber o rótulo de "coitado", como se fosse algo bom. Temos que parar com isso. 

Não precisamos de um advogado que não seja o Espírito Santo de Deus. Ele não nos pede explicação, pois conhece o nosso coração, conhece nossas causas. Nos conhece intimamente e não há o que possamos esconder d'Ele. Temos que ser o suficientemente conscientes para saber que precisamos perdoar, seguir em frente, superar, reconstruir, confiar em Deus e na sua fidelidade, nos apropriar das bençãos que Ele já nos deu. Lembre-se, num sentido figurado, que o passado e o futuro nada constroem, quem pode fazer isso é somente o presente. Faça hoje, não permita que o espírito de vitimização, espírito de coitado(a), tome conta da sua vida. Confie em Deus e siga em frente.

A respeito da nossa justiça e das coisas daqui desta terra, a bíblia nos diz algo muito importante:
"Mas todos nós somos como o imundo, e todas as nossas justiças como trapo da imundícia; e todos nós murchamos como a folha, e as nossas iniquidades como um vento nos arrebatam." (Isaías 64:6)

Fiquemos todos na Paz, que excede todo o entendimento, 
do Nosso Senhor Jesus Cristo de Nazaré.

sexta-feira, 7 de março de 2014

Um grande teatro


Queridos leitores, Matrix vai, novamente, servir para os propósitos de Deus hoje... ahhh vai!

Mesmo que eu sempre diga, e lá vai clichê, que Deus usa instrumentos santos para seus propósitos santos, valho-me do filme Matrix, qualquer que tenha sido os propósitos dos produtores. Será que, paradoxalmente, escrevo nesse artigo algo favorável à coisas as quais sou contra? Um tanto complicado, mas lá vai: contemporaneamente a sociedade vivencia um grande teatro com diversos palcos, cujas atrações agradam a todos os gostos. Nas assistências encontram-se pessoas necessitadas de respostas para vários questionamentos de suas vidas. São os espectadores. 

São muitas atrações, mas há um padrão nesse teatro: todas as atrações tem o objetivo principal de "ocupar" as pessoas com "entretenimento" o tempo todo. São apresentações de futebol, lutas, filmes, musicais, várias "abas" abertas simultaneamente. Existe numa sala um atrativo, uma grande tela, conhecida como TV. Por ali entram informações globalizadas, fazendo o espectador assimilar no seu subconsciente todo o tipo de degeneração ética e moral e onde há grande destaque para manchetes ruins, pois a direção do teatro diz que o povo gosta e precisa de violência, muitas vezes sob as supostas críticas "do bem", do apresentador. Os espectadores são sugestionados a consumir todo o tipo de produtos que o teatro nas suas apresentações sugerem. São alimentos industrializados que fazem mal a saúde; produtos de segurança pessoal e residencial; seguros diversos que dão a falsa sensação de segurança e outros produtos com a obsolescência programada, para que as indústrias funcionem e continuem "gerando empregos".

Há um recurso muito "cool" nesse grande teatro. O espectadores podem interagir entre eles, através de bate-papos,  interação social com amigos que estão nessa e em outras salas. Chamam isso de internet, e dentro dela, algo chamado facebook, entre outras interfaces semelhantes. Esses recursos de interatividade do teatro, tomam grande parte do tempo da vida familiar e de convívio geral das pessoas, causando todo o tipo de dano. 

O objetivo escuso desse teatro é afastar o povo das coisas que são verdadeiramente importantes para as suas vidas. O povo pensa que está no controle, sendo entretidos e que tudo está normal. Esse grande teatro faz as pessoas esquecerem dos problemas existentes. Ficam tão ocupadas em assistir a sua programação, que não se importam mais com o que acontece dentro das suas próprias casas, famílias, círculos de amigos e muito menos com o que fazem seus representantes no governo dessa sociedade, e que diz respeito a suas sobrevivências. 

O mal fica livre para agir, enquanto os espectadores são "entretidos". Mas dentro desse objetivo escuso há um motivo principal, mais funesto e terrível:  afastar as pessoas de Deus. Negar-lhes a verdade, expondo-as, inclusive, a falsos mestres e seus sofismas. Esse teatro apresenta as coisas de Deus como religião e diz que religião e política não se discute. Afinal cada um tem sua crença e todos os caminhos, ou seja, todas as religiões levam à Deus. Afastam as pessoas de Deus e da verdade, criando o pensamento de que Deus é uma religião, uma crença inútil, dentre tantas,  e não o criador e mantenedor de todas as coisas. Nessa grande apresentação, mostram que a terra gerou a vida e que o ser humano evoluiu dos macacos. Só não explicam quando a alma entrou no homem (o elo perdido). Impedem que as pessoas alcancem o objetivo de suas existências, que é a comunhão com Deus, seu criador. Esse teatro e seu nefasto dominador e diretor impedem que o povo pense, reflita, se concentre naquilo que é verdadeiramente importante.

Vamos assistindo contemplativamente ao teatro. Teatro atrativo, tão bem dirigido pelo seu dominador/diretor e seus asseclas. Lugar onde reina o interesse econômico, a violência, o desamor, enfim a falta de todas as virtudes, que só vem de Deus.  Por trás do pano, o inimigo efetiva seus terríveis feitos, controle de governos por governos externos causando ao povo todo o tipo de prejuízo, levanta supostos "pastores" que pregam a doutrina da prosperidade, tentando trazer as pessoas à presença de Deus por meio de promessas de prosperidade material, numa tentativa de denegrir a pessoa de Deus, através de seus interesses financeiros e carnais.

Como podemos ver, esse grande teatro com suas várias apresentações é o mundo. 

Enquanto assistimos, o inimigo vai tornando o mundo num lugar terrível para se viver. Como no filme, somos transformados em meras "baterias", para que a "máquina" funcione. Vivemos uma ilusão, erradamente entendida por todos, como uma realidade.

O povo abandonou Deus. Diz não precisar d'Ele. Oferece ao inimigo a chance de continuar a dominar tudo.

O teatro, conforme vimos, é o mundo, dominado e dirigido, temporariamente, pelo inimigo, o diabo. Os espectadores somos todos nós. A cápsula vermelha é o Senhor Jesus Cristo de Nazaré. Para aquele que a toma não há volta, como no filme Matrix, está fora do teatro. Quando aquele que tomou a pílula vê a realidade, a verdade é revelada, que não é aquela de Matrix. Caem as escamas dos olhos, o bloqueio dos ouvidos e dos demais sentidos. Consegue ver então, toda a manipulação. Recebe a sabedoria que Deus dá aos seus:
 "Mas, como está escrito: As coisas que o olho não viu, e o ouvido não ouviu,e não subiram ao coração do homem, são as que Deus preparou para os que o amam." (1Co 2:9)
Quem toma a cápsula vermelha, conhece a verdade, que é Yeshua Hamashia, Jesus Cristo de Nazaré e nunca mais será o mesmo. Aquela "velha" pessoa não existe mais. Ela não é mais enganada pelo teatro e seu dominador. Conhece todo o teatro, suas atrações e apresentações. Sabe quem é o manipulador do mundo. Sabe que muitos são usados pelo diabo para desencaminhar milhões, e se precavê.

Para finalizar: nos está sendo oferecida a cápsula vermelha. Essa cápsula vermelha está cheia do precioso sangue de Jesus. Quando esse sangue entrar na nossa corrente sanguínea, nos transformará completamente. Nossos olhos se abrirão, nossos ouvidos ouvirão, a verdade virá e será como a luz nas trevas. Todo esse teatro, toda a mentira, falsos mestres com seus falsos evangelhos, seus sofismas, serão desmascarados. Todas as perguntas sobre nossas existências serão respondidas, com muito mais provas do que a ciência pode oferecer, pois Deus trabalha no sobrenatural, onde a ciência não alcança.

Tomar ou não esta maravilhosa cápsula? Ou será preferível escolher o caminho do vilão traidor do filme Matrix, que escolheu viver uma bela ilusão do que aceitar e viver a verdade, o que, inevitavelmente, o levou a morte. 
Há somente um caminho para se chegar à Deus e esse caminho é o Senhor Jesus Cristo de Nazaré.
"Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim." (João 14:6).
O Senhor Jesus Cristo está às portas. Maranata.

Pensemos nisso!...

Fiquemos todos na Paz, que excede todo o entendimento, 
do Nosso Senhor Jesus Cristo de Nazaré, Yeshua Hamashia.

sábado, 15 de fevereiro de 2014

Seguro para as nossas inseguranças


Uma reflexão: Será que você pensa que Deus nos criou para que tivéssemos uma vida atribulada, com medo de tudo?

O Estado brasileiro, certamente, não nos dá a segurança necessária. Diante disso precisamos gastar nossos recursos financeiros com alarmes, cercas eletrificadas, vigilantes, e outros sistemas de segurança. Somos onerados novamente por coisas que já estão incluídas nos altos impostos que pagamos, dentre outros; a segurança.

O mundo nos torna dependentes das coisas do mundo. Um círculo vicioso. Somos escravizados, vivendo do que o mundo nos faz acreditar que precisamos. Tudo para nos distanciar da verdadeira solução para saciar o grande vazio, que teima em morar dentro de nós.

Deus não nos criou para que vivêssemos atribulados, numa situação de prisão dentro das nossas próprias casas.

Fazemos seguro contra terceiros, roubo, incêndio, tempestades, vendaval, tsunamis, tamanho é o nosso medo de tudo. O mundo nos oferece soluções, que nos dão a falsa sensação de segurança, paz, tranquilidade e até prosperidade.

Deus quando nos criou, nos criou para Ele. Ele nos queria juntos dEle, mas nossos pais desobedeceram e saíram da Sua presença. É uma situação semelhante, como aquele homem que estava pescando tranquilamente. Veio alguém sugerindo que ele deveria aumentar os seus negócios, comprar mais barcos, pescar maior quantidade de peixes, vender nos diversos mercados, de tal forma que no fim das contas, ele tivesse a tranquilidade, de um dia, poder pescar em paz, na prosperidade. Surpreendentemente, virando as costas para essa interesseira, gananciosa e tentadora "oferta", o homem responde que já está fazendo isso e não precisa passar por toda essa tribulação para chegar a uma condição e situação em que ele já se encontrava. Estava pescando tranquilamente.

É assim com Deus. Saímos da sua presença, por desobediência, para passar todo o tipo de dificuldades, para depois desejarmos estar novamente na Sua presença, onde teremos a verdadeira paz e prosperidade. O pior é que muitas pessoas não reconhecem que precisam de Deus. Não "cai a ficha" que fomos feitos por Ele, para Ele e que precisamos dEle. Só sabem que há um tremendo vazio que não é preenchido por coisa alguma. Não adianta namorada nova, esposa nova, carro novo, moto nova, casa nova, reformas, TV nova, som novo, celular novo, etc. Nos cansamos de tudo e o vazio, que sempre esteve ali, se revela mais forte. Então me vem, nesse momento, a lembrança de uma frase muito conhecida: "Esse homem é tão pobre que a única coisa que ele tem é dinheiro". 

 Jesus Cristo fala o seguinte, para a Igreja de Laodicéia, em Apocalipse 3:17-18: 
"Como dizes: Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta; e não sabes que és um desgraçado, e miserável, e pobre, e cego, e nu; Aconselho-te que de mim compres ouro provado no fogo, para que te enriqueças; e roupas brancas, para que te vistas, e não apareça a vergonha da tua nudez; e que unjas os teus olhos com colírio, para que vejas."
Sem Deus somos pobres, cegos e nus. Sem Deus, não possuímos a verdadeira riqueza e prosperidade, que são as coisas espirituais do Pai; somos cegos porque não enxergamos a verdade e nus por estarmos vestidos do pecado. Ou você ainda acha que existe alguém perfeito, que não seja Jesus Cristo? Achamos que temos tudo o que precisamos. Pensamos que não precisamos de Deus e de ninguém, mas o vazio persiste.

Esta é uma mensagem de Jesus, muito específica para a Igreja de Laodicéia, por vários motivos situacionais daquela Igreja, mas que cabe bem nesse momento do artigo.

Ressaltando: Deus nos diz que a verdadeira segurança, riqueza e prosperidade, vem somente dEle. A solução para o nosso vazio interior, é a maravilhosa presença de Deus, nas nossas vidas. O Deus vivo dentro de nós.

Sobre a reflexão, posso dizer que, mesmo com Deus, teremos tribulações, mas tudo estará nas mãos dEle, que tudo pode. Estaremos em mãos excelentes, únicas e divinas. Dessa forma, quem se preocupará com tribulações?

Deus é o seguro para as nossas inseguranças, nosso porto seguro.

Fiquemos todos na Paz, que excede todo o entendimento, 
do Nosso Senhor Jesus Cristo de Nazaré, 
o Deus de Abraão, Isaque e Israel.

domingo, 9 de fevereiro de 2014

Sinais, prodígios, milagres de Deus

Passeando pelas histórias bíblicas, vemos grandes sinais, obras do Senhor. Ficamos maravilhados ao lermos em Êxodo 14:15, o mar se abrindo para que o povo de Deus passasse a pés enxutos para o outro lado, a salvo dos egípcios perseguidores. 

É tão lindo quando lemos em João, capítulo 2, Jesus transformar água em vinho de qualidade. É impossível não se emocionar quando vemos Jesus, trazendo Lázaro, morto a quatro dias, de volta a vida. Especialmente quando sabemos que os judeus, segundo a doutrina que acreditavam, achavam possível, numa remota possibilidade, a ressurreição acontecer até o terceiro dia da morte, quando o espírito ainda estava ao derredor do corpo. Mas Jesus para mostrar o poder e a glória de Deus, esperou até que se passassem quatro dias, o que era considerado mais do que impossível, para só então, trazer Lázaro novamente a vida. 

Atualmente, embora o ceticismo de muitos, Deus ainda faz muito sinais, como curas, sinais prodigiosos da presença do seu espírito, e muitos outras maravilhas. No entanto não precisamos esperar esses sinais maravilhosos para aquecer a nossa fé. É exatamente isso que o homem procura para que acredite nas coisas de Deus. Mas Jesus nos disse, que bem aventurado é aquele que não precisa ver para crer, em outras palavras, que devemos viver pela fé. Muitos de nós buscam desesperadamente esses sinais, colocando essas visões como pré-requisitos, condições para se ter a fé, que é somente Deus quem nos dá. Contrariando essa busca, Deus nos traz uma grande notícia, cujos fatos estão diante dos nossos olhos, mas não percebemos:

TUDO É UM MILAGRE DE DEUS! Querem ver?

A vida, mal entendida por nós, é um grande milagre de Deus. Nossos filhos são milagres de Deus. Cada componente da nossa família e nós mesmos, somos milagres de Deus. A "máquina humana" é uma grande obra de Deus, com seus intrincados sistemas de funcionamento, mal compreendidos pelo homem até os dias atuais.  Vemos na natureza, reações físicas  e químicas, muitas inexplicáveis, sistemas vinculados que na sua integração fazem o todo funcionar. Tudo milagre de Deus. Todo o sistema solar, através de seus diversos movimentos, como por exemplo, de rotação e translação; forças diversas, como da gravidade, e do magnetismo, fazendo tudo funcionar como é necessário. O homem através de suas explicações científicas tenta apresentar as razões do funcionamento das coisas, ou seja tenta explicar com sua inteligência e sabedoria as coisas que são da sabedoria e conhecimento de Deus, que Ele criou e sustenta. É isso mesmo, Deus sustenta todas as coisas. Tudo foi criado por Ele, para Ele e é sustentado por Ele. Todas as coisas estão em Deus. 

Quando aceitamos e entendemos a mão de Deus em todas as coisas é que vamos novamente nos achegando ao Pai. Reconhecendo a divindade de Jesus Cristo, como maravilhosamente consta em João 1:1-14, como Deus sempiterno. Grande é a arrogância do homem, quando tenta explicar através da sua vã sabedoria e inteligência, as coisas de Deus de tudo o que Ele criou. Só nos resta aceitar, através da sabedoria e conhecimento que nosso Deus nos dá, as Suas maravilhas, que estão ao nosso redor o tempo todo.

Fico emocionado ao ler o livro mais antigo da bíblia, Jó, no capítulos 39; 40:6-24; e 41, onde Deus manifesta o Seu poder e apresenta os Seus prodígios, assim ficando aparente a ignorância do homem e a sua pequenez diante do criador de todas as coisas que vemos e não vemos.

Se não cremos, ou temos dúvida da existência de Deus é porque simplesmente não queremos crer, porque além da sua palavra, que é fiel, tudo ao nosso redor demonstra a Sua existência, o Seu conhecimento, o Seu poder, a Sua sabedoria, a Sua honra, a Sua glória, a Sua santidade, o Seu amor, a Sua fidelidade, o Seu cuidado conosco, e todas as demais virtuosidades do nosso Majestoso e indescritível em palavras humanas, Pai Celestial, Adonai.

Fiquemos todos na Paz, que excede todo o entendimento, 
Nosso Senhor Jesus Cristo de Nazaré.

domingo, 2 de fevereiro de 2014

Detroit, nos EUA, uma cidade fantasma?

Foi grande surpresa para mim, quando soube e vi, através artigos, fotos e vídeos, a decadência da cidade de Detroit, nos EUA. Na década de 60 teve a maior renda per capta do país e hoje é considerada uma cidade fantasma, com mais de 78 mil prédios abandonados. Uma cidade que no seu auge teve mais de 2 milhões de habitantes, hoje tem aproximadamente 700 mil habitantes. 700 mil habitantes?  Como pode acontecer que uma cidade com 700 mil habitantes ser considerada uma cidade fantasma? Detroit possui ainda, um número muito maior de habitantes do que a maioria das cidades brasileiras possuem. É algo que nos leva a refletir muito. Entender os fatores que levaram uma cidade de sucesso a uma situação como esta. Detroit, cidade economicamente quebrada, com alto índice de criminalidade, com serviços essenciais em decadência, marginalizada, com falência judicial pedida, com uma dívida superior a 18 bilhões de dólares. Orar à Deus para reerguer essa cidade é necessário. No entanto, trago esse exemplo real, para que vejamos que as coisas dos homens são passageiras, frívolas, sem valor. A glória humana logo se esvai. Uma cidade promissora, como Detroit, sofre uma queda inimaginável nos seus tempos áureos. Sabemos dos problemas da indústria automobilística de Detroit, mas não sabemos como a cidade se encontrava espiritualmente e que tipo de ataque espiritual essa cidade e seu povo sofreu. Nos resta somente refletir, como já mencionei, que as coisas dos homens e a sua glória acabam dessa forma. As obras humanas se vão, transformam-se em ruínas, como temos visto no decorrer de toda a história humana. No entanto o homem não aprende a lição e continua valorizando coisas que nada valem. Buscam uma falsa glória, pois a verdadeira Glória é aquela que só existe e pertence à Deus. O homem, sem saber, busca desesperadamente Deus. Precisa de Deus para reativar o "link" espiritual que perdeu com o seu Criador no Éden. Se pararmos para pensar, nos episódios da nossa vida, perceberemos com clareza, essa nossa busca. Um trecho bíblico me vem a memória quando escrevo esse artigo:
 "Como dizes: Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta; e não sabes que és um desgraçado, e miserável, e pobre, e cego, e nu; Aconselho-te que de mim compres ouro provado no fogo, para que te enriqueças; e roupas brancas, para que te vistas, e não apareça a vergonha da tua nudez; e que unjas os teus olhos com colírio, para que vejas. Eu repreendo e castigo a todos quantos amo; sê pois zeloso, e arrepende-te." (Apocalipse 3:17-19)
Jesus Cristo é muito claro quando fala essas palavras, através da visão dada por Deus ao apóstolo João,  no cativeiro, na Ilha de Patmos, na Grécia.

Outro exemplo bíblico, que ilustra muito bem esse problema é:
"Porquanto qualquer que a si mesmo se exaltar será humilhado, e aquele que a si mesmo se humilhar será exaltado." (Lucas 14:11)
Vejo esse texto bíblico, no contexto deste artigo, da arrogância, do poderio econômico, da abastância dos homens, que acham que podem viver, plenamente, pelas próprias forças, que não precisam de Deus, pois estão fartos e abastados, falta-lhes a humildade. No entanto, no texto de Apocalipse, citado acima,  podemos ver o engano dos homens, pois a verdadeira riqueza vem de Deus. Riqueza que nunca acaba, não decai, não deprecia. A verdadeira riqueza é o ouro, refinado pelo fogo, do Senhor. São as coisas de Deus. Independentemente de qualquer outra coisa, devemos buscar esse ouro refinado, vestir as vestes brancas, a pureza e a riqueza, que só o Senhor Jesus Cristo nos dá. A recuperação de Detroit não depende da força dos homens, mas sim única e exclusivamente do poder e da vontade de Deus.

Fiquemos todos na Paz, que excede todo o entendimento, 


do Nosso senhor Jesus Cristo de Nazaré.

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Inofensivo ou ferramenta do mal? Você decide!

Muitas vezes dizemos que alguma coisa que fazemos é inofensivo. Que não vemos nada de errado naquilo. Que, na verdade, todos fazem. Além disso quando usado corretamente é altamente edificante e como tudo nessa vida, pode ser usado para o bem ou para o mal. Se formos usar para o bem, podemos usar. Podemos dizer tudo isso, mas o que será que Jesus Cristo diria dessa coisa ou do uso desta coisa? Ele usaria, como tantos usam? Ele diria que é algo bom, mas que o distorcido caráter do homem usa para mal? Ele explicaria que tal coisa é de Deus e nada tem a ver com as coisas dos homens, seus inventos imperfeitos, sua ganância sobre essa coisa e seus interesses econômicos envolvidos nisso?

Estão curiosos para saber sobre o que estou escrevendo? Sei que serei  uma das pessoas que serão taxadas de jurássicas, radical, atrasado, e outros rótulos mais. Antes quero dizer-lhes que sempre fui alguém voltado à tecnologia, ex-provedor de internet, que trabalha a muito tempo com redes e computadores, internet e aparelhos tecnológicos em geral, inclusive software. Sim, escrevi software, os importantes programas de computador que os fazem funcionar. Hodiernamente, software on line, é do que lhes escrevo, mais especificamente o Facebook e todas as demais redes sociais.

Queridos leitores, sabemos muito bem, o estrago que as redes sociais, mais especificamente, o Facebook causa na vida de milhares de pessoas, e ainda é tido como  "o queridinho" das nações. É indiscutível que o Facebook é instrumento de discórdia nas famílias, separações e divórcios, intrigas, inveja, fonte de informações para foras da lei, pedofilia, fonte de mentiras e de marketing barato para vender todo o tipo de produtos e serviços legais e ilegais e muito mais. Cada vez mais nossa privacidade vai por água abaixo. Sem nenhuma dúvida, quando o anti cristo se revelar, depois do arrebatamento da Igreja de Jesus Cristo,  e começar a caçar os cristãos remanescentes, ele saberá perfeitamente quem é quem e não terá dificuldade alguma de encontrar quem ele quiser, caso continue assim. Não precisa nem de chip implantado nas pessoas, que já é uma tecnologia defasada. O banco de dados já está on line, pronto, disponível há tempos, para quem quiser. Muitos dirão: meus dados estão abertos só para meus amigos, ou; eu só coloco minhas informações básicas, e outras justificativas. No primeiro caso, os dados estão lá no servidor, "eles" fornecem para quem quiser, para quem pagar mais ou ameaçar mais, caso essa pessoa, governo, justifique, como por exemplo, segurança nacional, terrorismo, ou outra justificativa que inventarem. Aqui no Brasil já conhecemos  bem isso, pois com uma boa justificativa houve até confisco de bens dos cidadãos. Muita gente até morreu, por suicídio, depois de ver suas economias e seus sonhos serem destruídos. O povo simplesmente, fez vista grossa, esqueceu-se de todo o infortúnio. No segundo caso, quando você fornece somente as informações básicas, digo à você, pegue as suas informações básicas do Facebook, junte com todas as opiniões que você emitiu na internet, resenhas, editais públicos que aparece o seu nome, sites de currículos, sites profissionais, anúncios de compra e venda que você fez, e muitas outras coisas mais e você verá que já forneceu dados suficientes, para que num simples cruzamento de informações, alguém possa saber quem é você, como por exemplo: do que gosta, carros, viagens, tecnologia, se casou, o que você comprou, o que vendeu, se tem bens de valor significativo, seus dados pessoais, e em muitos casos; dados dos seus documentos pessoais; placas do seu carro; se teve alguma ação na justiça; se teve bens penhorados e muitíssimo mais. Basta procurar, de algumas formas diferentes, no buscador Google, ou fornecendo apenas o seu nome. Se ainda não fez isso, faça e você poderá ficar muito surpreso. Muitos dirão, a Internet não seria, então,  um mal maior? Isso é assunto para um futuro artigo.

  
Nas redes sociais, acontece dessa forma, aqui e agora, principalmente no Facebook. Vamos nos contaminando com todo o tipo de imundície que essas redes sociais oferecem e promovem e fornecendo dados vitais da nossa vida.
As pessoas fazem vista grossa, utilizam-se indiscriminadamente dessa ferramenta. Apresentam o seu dia-a-dia, sem a menor cerimônia. Nesse mundo cheio de ganância, astúcia, interesses escusos, dominado pelo mal, você ainda acha que é fácil encontrar pessoas ou empresas que  deem algo de graça, como acontece no Facebook? Não é de graça! É a sua vida que você está entregando nas mãos; de quem não conhece; para alguém que você não tem a mínima ideia quem seja e que poderá não ter escrúpulos algum. Na minha avaliação, as pessoas não valorizam coisas que são de extrema importância para as suas vidas: na verdade, as suas próprias vidas;  a vida de suas famílias e das pessoas que estão ao seu redor, através da entrega dos seus dados e imagens. "Eles" conhecem você. "Eles" conhecem a sua congregação. Quem conhece batalha espiritual sabe que devemos conhecer o inimigo antes da batalha. "Eles" estão fazendo isso conosco, nos conhecendo muito bem. Conhecem nossos pontos fortes, mas principalmente os fracos. As pessoas "vendem" suas vidas por nada em troca, como se fosse certo alguém vendê-la por algum valor. Sabemos que nossas vidas pertencem à Deus, assim como a Igreja pertence ao Senhor Jesus Cristo e jamais à uma rede social. Nossas vidas, pessoais e congregacionais,  são inclassificavelmente maiores e melhores do que pode tratar qualquer rede social, pois pertencem à Deus. Os pensamentos e propósitos de Deus, para nós e para nossas congregações, são muito mais altos do que os nossos e principalmente maiores do que qualquer rede social pode tratar. Para os que dizem que o evangelho está sendo espalhado através do Facebook, eu pergunto: Quem afinal dá os peixes? Não é Deus? Vamos continuar lutando com nossas próprias forças, como a bíblia adverte em Jeremias 17:5. Vamos continuar sendo, o que os antigos diziam, "Maria vai com as outras" ao invés de assumirmos nosso verdadeiro papel de filhos de Deus, separados, e de nos posicionar de que não pertencemos a esse mundo, assim como Jesus Cristo não pertenceu e não pertence.

Pior de tudo, como vimos, é que a própria Igreja de Jesus Cristo se engana, se achando moderna, na onda, legal, cool, ao fazer parte dessas redes. Dizem que é um instrumento valioso para a proclamação do evangelho, trazendo os perdidos à salvação, facilitando o contato entre a congregação e seus membros, e entre os próprios membros. Vi rede social particular de congregação ser criada para esse fim e logo depois disso ser menosprezada, abandonada e fechada, porque na verdade o apelo das grandes redes sociais, é maior. O uso dessas grandes redes sociais, não seria somente um meio de "saber da vida alheia"? Aparentemente o verdadeiro motivo do uso dessas redes não é o compartilhar entre os crentes, entre a congregação. Ou seria errado criar algo específico para o compartilhar da congregação, efetivando assim uma espécie de apartheid? Não estarão as redes sociais contaminadas pelo mal? Pelo que sabemos Deus utiliza-se de ferramentas santas para seus propósitos santos. Sabemos também que os fins não justificam os meios. O contrário dessas coisas, não faz parte do vocabulário cristão. Sabemos perfeitamente que o mal, vem sutilmente disfarçado de bem, de bonzinho, que dá tudo de Graça, basta adorá-lo. As ofertas do mal é fumaça, futilidade, grande vazio, sem valor algum, perdição, assim como é o prestígio das redes sociais e de seus membros.

Conhecemos bem o que faz o homem, quando quer continuar naquilo o que quer fazer, mesmo quando contraria a vontade de Deus: justifica. Quer justificar seus atos a todo o custo. 
Diante disso, termino esse artigo fazendo novamente a simples pergunta: 

Jesus Cristo usaria o Facebook  e as demais redes sociais?
Você decide! Isso é apenas um alerta!

Fiquemos todos na Paz, que excede todo o entendimento, 
do Nosso Senhor Jesus cristo de Nazaré.

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Juízo e Condenação

Queridos leitores, 

Jesus disse que não veio para revogar a Lei, mas sim para cumpri-la integralmente, Mateus 5:17. No entanto vemos Jesus curando no sábado, evitando o apedrejamento de uma mulher adúltera, não condenando uma mulher que já havia tido cinco maridos e estava vivendo irregularmente com um outro homem, além de outros episódios bíblicos. O que aconteceu afinal? Jesus não cumpriu a Lei? Para os fariseus e mestres da Lei, com toda certeza, pois afirmavam isso. Diziam que Jesus dava pouca importância para a Lei.
"E os escribas e fariseus trouxeram-lhe uma mulher apanhada em adultério; E, pondo-a no meio, disseram-lhe: Mestre, esta mulher foi apanhada, no próprio ato, adulterando.E na lei nos mandou Moisés que as tais sejam apedrejadas. Tu, pois, que dizes? Isto diziam eles, tentando-o, para que tivessem de que o acusar. Mas Jesus, inclinando-se, escrevia com o dedo na terra. E, como insistissem, perguntando-lhe, endireitou-se, e disse-lhes: Aquele que de entre vós está sem pecado seja o primeiro que atire pedra contra ela. E, tornando a inclinar-se, escrevia na terra. Quando ouviram isto, redargüidos da consciência, saíram um a um, a começar pelos mais velhos até aos últimos; ficou só Jesus e a mulher que estava no meio. E, endireitando-se Jesus, e não vendo ninguém mais do que a mulher, disse-lhe: Mulher, onde estão aqueles teus acusadores? Ninguém te condenou? E ela disse: Ninguém, Senhor. E disse-lhe Jesus: Nem eu também te condeno; vai-te, e não peques mais." (João 8:3-11)
No texto acima descrito, Jesus nos ensinou grandes lições. Primeiramente vejam que quem estava entregando a mulher adultera para a punição fatal eram os próprios fariseus e mestres da lei. Eram aquelas pessoas religiosas, que impunham um fardo pesado às pessoas, fardo que eles mesmos não conseguiam carregar. Eles não viviam o que pregavam. Neste caso não se tratava de uma prostituta, mas de uma mulher que foi pega no ato de adultério. O que mais impressiona é que os fariseus e mestres da lei condenavam a prostituição e as prostitutas, as odiavam e as rejeitavam, no entanto utilizavam-se de seus serviços as escondidas, caindo em adultério. A lei expressa era de que a mulher adultera fosse apedrejada até a morte, mas o que fez Jesus? Desobedeceu a Lei? Não, de forma alguma. O homem julga e condena facilmente, mas o que acontece quando ele está no lugar daquele que está sendo julgado? Obviamente usa de todos os recursos e justificativas para não ser condenado. Pimenta nos olhos dos outros é doce, como diziam os nossos pais. Jesus, escrevia com o dedo, na areia e endireitando-se, disse-lhes que quem dentre eles não tivesse pecado algum que atirasse a primeira pedra. Nesta hora vem a curiosidade. O que Jesus estava escrevendo no chão? Nunca saberemos ao certo, mas eu creio firmemente que Ele estava escrevendo os pecados daquele povo que estava por apedrejar aquela mulher, ou escrevia o nome daqueles com quem aquelas pessoas que ali estavam, adulteraram. Seria impossível que eles não estivessem vendo e lendo o que Jesus escrevia. Vejam que começaram a sair daquele lugar começando pelos mais velhos e assim até todos saírem, ficando somente Jesus e a mulher.
Jesus perdoou maravilhosamente a mulher pecadora. Não a julgou nem a condenou, assim como fez com a Samaritana no poço de Jacó (escreverei o próximo artigo sobre a mulher Samaritana), contrariamente ao que fizeram os homens.

É necessário que saibamos que toda a lei dada ao povo de Israel, por Deus, através de Moisés, foi um tutor, um aio, até o tempo da chegada daquele que haveria de vir, a saber, Jesus Cristo de Nazaré. Os propósitos e os pensamentos de Deus são tão mais altos do que os nossos, que Jesus Cristo, Deus Filho, não aboliu a lei, cumpriu-a cabalmente e perfeitamente por nós (o que muitos não entendem), como jamais conseguiríamos fazer. Entretanto Ele também não nos deixou a revelia, nos nossos desejos e vontades, pois Ele nos conhece no mais profundo do nosso ser. Enviou-nos assim o seu Espírito Santo, que nos constrange e impede de cometermos pecado. É como se Jesus dissesse: "Sou Eu que vos santifico", João 17:17. Isso tem muita lógica, pois sabemos que por nós mesmos não podemos viver em amor, verdade, justiça e retidão. Só Deus pode fazer isso em nós, através do Seu Espírito Santo. Somos moldados pelo Espírito Santo de Deus. A lei, Jesus Cristo, agora, vive dentro de nós, naqueles que nEle creem. São leis escritas não em tábuas de pedra, mas sim no coração quebrantado daquele que recebeu o Senhor Jesus Cristo na sua vida.

Quero dizer-lhes que o único, Jesus Cristo, que poderia julgar e condenar não o fez, conforme João 12:47. Não cabe nos apresentar como juízes, com poder de julgar e condenar os atos  e pessoas, Lucas 6:41. Não temos as mínimas condições para isso, além de que não são nossas atribuições. Como disse antes, fácil é julgar e condenar os outros, até com uma certa satisfação de poder sobre essas vidas, dizendo:

"Você agora não pode mais casar, está escrito, pois divorciou-se sem que houvesse adultério"; ou:
"Você agora pode casar, pois foi a vítima."; ou: 
"Você não pode mais frequentar a congregação, pois está em pecado!."; ou:
"Para esse agora não há mais perdão."; ou: 
"Esse não tem mais jeito, está perdido!"; ou: 
"O casamento fracassado deles tem que persistir, pois Deus tem propósitos para a vida deles, além disso se eles se divorciarem quebrarão a aliança e a lei."; ou:
"É necessário que passem por essa provação para obterem as bençãos." e coisas semelhantes.

Não pense que defendo o divórcio (defendo as famílias), a continuidade do pecado (deve haver reconhecimento, perdão e abandono do pecado), ou abandono dos propósitos de Deus (os verdadeiros propósitos de Deus o Espírito Santo revela). O que estou dizendo é que julgamos e condenamos as pessoas como se fossemos Deus, como se soubéssemos de todas as coisas. Coloco-me em cheque também, ao escrever esse artigo.

Pretensiosos e arrogantes, disfarçadamente, saímos por aí, decretando o que pensamos na vida dos outros, como se tivéssemos legalidade para isso. Outros ainda profetizam falsamente na vida das pessoas, para serem reconhecidos como profetas. Quando fazemos essas coisas causamos todo o tipo de estrago e maldição na vida do próximo, que fica com sua vida travada, impedindo os verdadeiros propósitos e bençãos de Deus. Inacreditavelmente essas coisas acontecem mais do que pensamos e isto é considerado normal. Dessa forma, vemos que ainda estamos muito longe da postura e do caráter de Jesus Cristo. O Espírito Santo de Deus é o suficiente para dar todo entendimento e revelação aos que creem em Cristo Jesus. Há liberdade em Cristo Jesus. Somente Deus julgará, não o homem imperfeito e todos são imperfeitos.

Por fim, é necessário que saibamos discernir as diferenças entre julgar e oposição aos "outros evangelhos" pregados por aí e seus falsos mestres. Devemos estar sempre alertas para nos proteger desses "outros evangelhos" e de seus falsos mestres e nos opor veementemente às sutilezas de seus ensinamentos enganosos.

Devemos ser perseverantes na fé, ter Jesus, eternamente, nos nossos corações e as demais coisas, Deus sempre acrescentará, Mateus 6:31-33.

Fiquemos todos na Paz, que excede todo o entendimento, 
do Nosso Senhor Jesus Cristo de Nazaré.