Compartilhe

quinta-feira, 9 de maio de 2019

A humildade antecede a honra!

Queridos leitores.

"O temor do Senhor ensina a sabedoria, e a humildade antecede a honra." (Provérbios 15:33)

Este simples versículo traz uma grande e profunda mensagem para as nossas vidas. Somente a bíblia, este livro maravilhoso, para trazer tal sabedoria.
Resta-nos saber então:
1- O que é temor?
2- O que é a sabedoria?
3- O que é a humildade?
4- O que é a honra?

Tantas coisas à entender numa frase tão pequena!

1- Temor:
- Segundo o dicionário: temor é um substantivo masculino na língua portuguesa, usado para definir o ato ou efeito de temer, ou seja, o medo, receio, pavor e terror de algo ou alguma coisa. A palavra temor é comumente empregada no sentido de sentir medo de situações desagradáveis inevitáveis, como o temor da miséria, da velhice ou o temor da morte. O termo também pode estar relacionado com a obediência e demonstração de rigor e pontualidade em relação a algo. Exemplo: "ele cumpria com temor as suas obrigações".
- Segundo a bíblia: o temor é um sentimento de respeito e reverência à Deus, praticada pela doutrina cristã, conforme consta no livro de Hebreus nas escrituras: "Por isso, recebendo nós um reino inabalável, retenhamos a graça, pela qual sirvamos a Deus de modo agradável, com reverência e santo temor; porque o nosso Deus é fogo consumidor" (Hebreus 12:28-29). Tudo o que se refere a fogo, nas escrituras, diz respeito a juízo.

2- Sabedoria - Sophia:
- Segundo o dicionário: é o substantivo feminino que é a característica de uma pessoa sábia e que significa um conhecimento extenso e profundo de várias coisas ou de um tópico em particular. A sabedoria muitas vezes é indicativo de uma pessoa instruída, que tem muito juízo, bom senso e se comporta com retidão.
- Segundo a bíblia: a palavra sabedoria provém do grego sophia e significa “inteligência plena". Excelência mental no sentido mais pleno. Entretanto, sophia não se trata somente de conhecimento, mas da habilidade e do julgamento para aplicar tal conhecimento às circunstâncias e situações cotidianas. O conhecimento por si só, não garante a atitudes e conclusões acertadas. A sabedoria nos ajuda para a tomada de atitudes corretas. Salomão foi um exemplo de homem sábio. 

3- Humildade:
- Segundo o dicionário: virtude caracterizada pela consciência das próprias limitações; modéstia, simplicidade.
- Segundo a Bíblia: humildade é conhecer-se balanceadamente, equilibradamente. É saber reconhecer que quem merece honra e glória é Deus e não nós (Romanos 12:3). A pessoa humilde não é arrogante, orgulhosa ou vaidosa, mas ela se ama. Ela reconhece os seus pontos positivos e é grato à Deus por isto. Conhece seus pontos negativos e busca em Deus a ajuda para vencê-los. Ela se sujeita à Deus, porque Deus conhece todas as coisas, esquadrinha os corações e tem tudo sob seu controle. Quem é humilde não é egoísta. A humildade está muito ligada ao altruísmo. É o pensar nos outros antes de nós. Não nos achar melhores ou superiores aos outros. "Nada façam por ambição egoísta ou por vaidade, mas humildemente considerem os outros superiores a vocês mesmos." (Filipenses 2:3)

4- Honra:
- Segundo o dicionário: princípio que leva alguém a ter uma conduta proba, virtuosa, corajosa, e que lhe permite gozar de bom conceito junto à sociedade. Honra é um princípio de comportamento do ser humano que age baseado em valores bondosos, como a honestidade, dignidade, valentia e outras características que são consideradas socialmente virtuosas. O conceito de honra pode estar relacionado com diversos significados, sendo a associação com o sentimento de orgulho próprio ("honra pessoal") e o comportamento de consideração ou admiração alheia alguns dos mais utilizados. Exemplo: "Ela concedeu-lhe a honra de sua companhia" ou "O homem manteve a honra como um verdadeiro rei". A ideia de "ter honra" também pode significar "ter destaque", ou seja, alguém que possua privilégios ou distinção entre os demais em determinada ocasião. Além disso, "uma honra" pode ser ofertada para alguém em sentido de homenagem, como uma forma de demonstrar respeito. Normalmente, as pessoas agraciadas com uma honra recebem um símbolo, como um diploma ou medalha de honra. A expressão "homens de honra", por exemplo, é utilizada para designar aqueles indivíduos dignos de confiança, que honram suas ações ou promessas.
- Segundo a bíblia: A honra é uma chave divina, disponível aos humildes de coração, para o acesso sobrenatural a uma vida de milagres em todas as áreas. A palavra Honra no grego é “ti-mé ou ti-má-o”, que significa: estimar, fixar o valor, honrar, reverenciar. Essa palavra vem da raiz grega “timios” que significa: De grande valor, precioso, mantido em honra, especialmente querido. “Pagai a todos o que lhes é devido: a quem tributo, tributo; a quem imposto, imposto; a quem respeito, respeito; a quem honra, honra”. (Romanos 13:7).

Em resumo: O homem temente à Deus, recebedor da sabedoria divina, é humilde. Através da humildade é portador da honra, vivendo uma vida plena e abundante!


Fiquemos todos na Paz, que excede todo o entendimento,
do Nosso Senhor Jesus Cristo de Nazaré, YAHoshuah Hamashiah.

A mentira, o roubo e a corrupção

Meus queridos leitores.

Estava lendo o trecho bíblico 2Reis 5:1-27, e me veio inspiração para escrever este artigo. Nesta perícope podemos ver Naamâ, comandante do exército rei da Síria, que era acometido de lepra, ser informado por sua mulher, que uma menina israelita, sua escrava, disse que havia um profeta de Deus em Samaria, Israel, que poderia curá-lo. Naamã vai à presença do rei e lhe fala do ocorrido. O rei diz-lhe para ir e que leve uma carta sua para o Rei de Israel. Naamã vai, levando consigo prata, ouro e vestes festivais. Levava também a referida carta que dizia ao rei de Israel que, ele rei da síria, estava lhe enviando o seu servo para que o curasse da lepra. O rei e Israel ao receber Naamã e ler a carta, rasgou suas vestes, dizendo como quer que eu o cure se não sou Deus. Certamente quer um motivo para causar guerra e nos destruir, pois não poderia curá-lo. Ao saber que o rei rasgara suas roupas, Elizeu, profeta de Deus, sucessor de Elias, disse que deixassem Naamã vir ao seu encontro e assim saberiam que havia profeta em Israel.  Naamã, foi e parou com seus carros e cavalos na porta da casa de Elizeu. Elizeu manda-lhe um mensageiro que lhe diz para banhar-se sete vezes na águas do rio Jordão e que se assim fizesse ficaria limpo da lepra. Ao receber a mensagem, Naamã fica decepcionado, pois nem havia sido recebido pelo profeta. Talvez, tinha na sua mente, o profeta clamaria em alta voz à Deus a sua cura, como faziam na sua terra, à seus deuses. Incrédulo e decepcionado resolve partir sem obedecer a instrução do profeta, dizendo que havia melhores rios na Síria do que o rio Jordão de Israel. Não poderia ele lavar-se naqueles rios e ficar limpo? No entanto, seus oficiais o aconselham a seguir o que disse o profeta, pois afinal era coisa fácil de ser realizada. Não importava em esforço algum, ou seja, não havia nada a perder. Naamã ouve os conselhos e se banha sete vezes nas águas do rio Jordão. Milagrosamente, no final dos banhos ele fica limpo da lepra e sua pele parece como a de uma criança. Naamã, vai ao encontro do profeta, junto de toda sua comitiva e diz que reconhecia de que não havia outro Deus, senão o Deus de Israel. Grato, com os olhos nestes mundo, Naamã oferece um presente à Elizeu. O profeta diz que tão certo como vive o Senhor, não aceitaria o presente. Naamã insiste, mas Elizeu declina. Naamã, pede a Elizeu que possa levar uma carga de terra de Israel, para que assim possa sobre este solo, adorar e fazer holocaustos ao Senhor, o Deus de Israel. Ainda pediu que Deus o perdoasse quando tivesse que, nos templos da Síria, junto ao rei, adorar ao deus daquela nação a quem se refere como Rimom. Elizeu então lhe disse que fosse em paz. Seria bom se a história tivesse acabado por aí. Geazi, o moço de Elizeu, o aprendiz, o que talvez fosse o substituir posteriormente, definido na escritura como homem de Deus, pensou consigo, que Elizeu não havia aceitado nenhum bem como presente e decidiu ir atrás de Naamã para dele receber alguma coisa, sem o conhecimento de Elizeu. Naamã, vendo que Geazi corria atrás de si, pára e conversa com ele, perguntando se estava tudo bem. Geazi mente para Naamã dizendo ser sua mentira uma mensagem de Elizeu. Crendo em Geazi, Naamã concede além do que foi pedido a Geazi. Geazi e seus companheiros levam os bens e os depositam em casa. Ele entra e se põe diante do seu senhor. Elizeu pergunta-lhe de onde vinha, mas novamente Geazi mente, dizendo que não havia ido a lugar nenhum. Mas Elizeu, diz-lhe que havia o acompanhado em espírito quando ele encontrou Naamã. Elizeu diz-lhe se aquilo era motivo para ele tomar bens e riquezas? Geazi totalmente surpreso e pego na mentira, ouviu o decreto de Elizeu. Imediatamente Elizeu decreta que ele e toda a sua descendência pegaria a lepra de Naamã. Então Geazi sai dali branco como a neve, de tanta lepra.
Este relato é algo que muito acontece hodiernamente. Não só na política, mas na vida das pessoas comuns. Que este relato toque a vida, o coração das pessoas, como um conselho, um aviso, do que acontece quando a mentira e a corrupção se instala nas vidas. A velha máxima de levar vantagem em tudo ainda reina na vida de muitos brasileiros, mas de forma nenhuma isto pode ser generalizado, pois a maioria da população, sem dúvida, é justa e vive uma vida correta. O Brasil é uma terra de homens de bem, contrariamente ao que muitos pensam. O Brasil não é uma terra de degredados como conta a história, embora possa ter havido isto como em todos os movimentos humanos. Muitos judeus (sefarditas), italianos, alemães, poloneses, franceses e holandeses, entre outros, vieram colonizar o Brasil. A síndrome de cachorro vira-latas precisa ser vencida. Nosso povo precisa se valorizar. Precisa saber que é um povo de valor e que merece o melhor. Nosso povo não pode jamais agir e se igualar a Geazi. Temos visto na política o roubo e a corrupção. Políticos que fizeram do servir público uma oportunidade de cometer ilícitos e enriquecerem. Precisam mudar de atitudes! No momento em que escrevo este artigo, parlamentares acabaram de tirar o COAF das mãos do ministro da Justiça Sérgio Moro. Todos sabem da importância do COAF na luta contra a corrupção e lavagem de dinheiro. O Brasil precisa lutar contra a corrupção e vencer. Ações como esta dificultam esta luta. Políticos agem como se Deus não existisse, porque realmente muitos não creem. Bem sabemos que não precisa crer, porque a colheita é certa. Quem semeia o mal, não colhe a paz, muito menos a prosperidade. Dinheiro de roubo, corrupção, de ganhos desleais, é amaldiçoado. Se soubessem que o pouco verdadeiro, é muito com o Senhor, não fariam tais coisas. A verdadeira prosperidade vem do Senhor. Os roubadores e corruptos colherão maldições como a que Geazi obteve para si. Será que aqueles bens e riquezas que ele conseguiu de Naamã valeram a pena? Assim acontece nos presentes dias. Tudo o que é conseguido com mentira, com roubo e com corrupção, entre outros, não é abençoado, pelo contrário. Não adianta nem ajudar os pobres com tal dinheiro, para compensar ou justificar. Andar na verdade e na justiça é absolutamente necessário! Viver com honra é tudo o que um homem ou mulher precisa!

"Ai dos que querem esconder profundamente o seu propósito do Senhor, e fazem as suas obras às escuras, e dizem: quem nos vê? E quem nos conhece?" (Isaías 29:15)

Fiquemos todos na paz, que excede todo o entendimento
do Nosso Senhor Jesus Cristo de Nazaré.


sexta-feira, 3 de maio de 2019

Casal virtuoso, família virtuosa!

Queridos leitores.

Vemos uma sociedade doente, de destruição das famílias, buscando ansiosamente as soluções para os seus problemas aparentemente insolúveis, numa vida sem esperança. Casais vivem como a vida os leva, de acordo com as circunstâncias. Baseiam-se em coisas que verdadeiramente não escolheram para suas vidas. Tratam-se de idéias pré concebidas, paradigmas que adotaram sem contestar. Vivem uma vidas cheia de problemas, mas nada fazem para mudar. É necessário um parada total. É necessário refletir. É necessário constatar que as coisas precisam mudar e que a vida é muito melhor do que nos querem fazer entender. Jesus Cristo nos disse que aqueles que nEle cressem viveriam uma vida plena e abundante. Presume-se então que esta plenitude e abundância é tanto física como espiritual. Mas como viver esta vida plena e abundante?

Para início de conversa, é primordial sabermos que um casal orientado por Deus deve saber que todos somos imperfeitos. Só existiu um perfeito e este é Deus. Querer a perfeição no outro, quando nós mesmos somos todos cheios de defeitos é algo que só trará contentas e infelicidade. Marido e mulher devem dialogar sobre as coisas que os entristecem nas ações um do outro, não com implicância e discussões destruidoras, mas construtivamente, numa reorganização de vida. O grande início de um relacionamento está no marido honrar sua mulher e a mulher ao seu marido. Falar destas coisas hodiernamente é difícil, mas mais difícil é viver desta forma. A falta de amor e o desrespeito imperam nos relacionamentos, gerando todo o tipo de discussões e contendas, acolorados pela rotina e pelos compromissos assumidos. Dizer que o controle financeiro dos casais é tranquilo nas já depalperadas famílias brasileiras, não é verdade. As famílias estão achacadas pela alta carga tributária no nosso país. Vivemos numa economia baseada em juros altíssimos, onde os bancos são legalmente autorizados a nos escravizar. As finanças de um casal é algo de suma importância para que tudo vá bem na família. Recapitulando: honra entre marido e mulher e controle financeiro são importantíssimos. Com estas coisas controladas a vida já será mais fácil, mas isto basta? Infelizmente não! Meus queridos, quando um homem e uma mulher resolvem casar neste mundo moderno, já trazem na bagagem alguns problemas comuns, mas muito importantes. Já tiveram relacionamento íntimo entre si antes do casamento. Já trazem outros relacionamentos anteriores consigo. Trazem ainda, a experiência de solteiro e pensam que também será assim no casamento. Muitos homens pensam que terão alguém para satisfazer suas necessidades sexuais e lhes servir no serviço doméstico, e o bonus será ser amado por sua esposa. Muitas mulheres pensam que terão um garanhão maravilhoso à disposição, um ajudador no serviço doméstico, que deverá trabalhar e trazer o sustento para casa, cuidar dos filhos e dizer somente sim senhora! Logicamente os dois "cairão do cavalo", pois o casar é certamente servir ao outro. Começam o casamento pensando que serão servidos, então a receita para o bolo embatumado e insípido está em andamento. Numa simples analogia, quando um grupo de pessoas começa um trabalho, todos deverão trabalhar diligentemnete para chegarem aos objetivos propostos. A maioria dos casamentos começam com as pessoas agindo levados pela maré. Não são diligentes no seu casamento. Deixam brechas, levam na brincadeira algo muito sério. Assim vão levando a vida, descontentes e a bola de neve crescendo cada dia mais. Basta vir a dificuldade financeira para a casa cair. Os problemas continuam: muitos homens dizem que ajudam nos serviços de casa e que se acham bons maridos por isto. Neste entendimento é necessário saber que o homem não ajuda a mulher e nem a mulher ao homem. Resolveram formar um lar, uma família. Resolveram casar e isto dá trabalho. Cada um deve cumprir diligentemente o seu papel. Os dois devem se esforçar fazendo todas as coisas que são necessárias para a criação e a manutenção de um lar forte, que independe das circunstâncias. Para começar bem um casamento, é muito importante saber, que existem coisas espirituais essenciais nas nossas vidas que são ignoradas pela grande maioria das pessoas, quer você creia nisto ou não: quando um homem e uma mulher resolvem casar e tem seu primeiro relacionamento sexual, é criado naquele momento uma aliança de sangue. Muita gente começa um casamento achando que tudo é festa, que acha que ama, que fez sexo, que gostou e quer casar. Esquecem que uma aliança de sangue já foi materializada. Neste momento muitos podem pensar: "Nossa!!  Agora estou encrencado(a), pois ja tive muitas companheiros(as) com quem fiz sexo! Será que fiz aliança de sangue com cada um(a) deles (as). Sim, exatamente isto! A coisa não fica só no material, mas existe um lado espiritual. Se você vai para o casamento com esta bagagem de relacionamentos anteriores, não resolvidos, certamente você terá muitos problemas com seu cônjuge, na sua recém formada família. É necessário reflexão e oração para "quebrar" estes relacionamentos anteriores para que você não leve um pouco de cada um deles para a sua casa, para sua família, para seu cônjuge, para sua cama. Abdicar, renunciar de todo este passado é absolutamente necessário. Lembrar de suas vanglórias sexuais e tê-las como trunfo, é desprezível! Se por acaso, dentro do casamento, o marido pensa que poderá ter, eventualmente, outras pessoas, outros relacionamentos, por achar que isto não o afeta, porque no fundo ama sua esposa, que são só aventuras, ou porque o homem pode, está muito enganado e toda esta reflexão, oração e quebra dos relacionamentos anteriores que tenha feito, de nada adiantará. O mesmo ocorre com as mulheres. Ao casar o homem e a mulher fazem uma aliança de sangue, que deve ter três elementos; Deus, homem e mulher. Numa aliança somente entre homem e mulher, sem Deus, a chance de tudo terminar mal é muito grande, mas se não terminar as "penas"  poderão ser duras! É comum Deus ser deixado de fora das alianças, por causa da precocidade do relacionamento sexual, que antecede o compromisso do casamento. As pessoas ficam uma com as outras como se não houvessem consequências. Vão realizando alianças de sangue, como se bebessem água ou andassem para frente. Algo normal, trivial, comum, sem consequências. Ninguém se guarda para ninguém, o importante é o prazer, o ser feliz, a qualquer custo.

Depois de saber da aliança de sangue, é absolutamente necessário cada um saber o seu papel. Papel de marido, papel de mulher e papel de filhos. Quantos problemas existem em decorrência do desconhecimento dos papéis na família. Muitas famílias possuem integrantes rebeldes, confusos, que não conhecem seus papéis ou são rebelados contra seus papeis. Pai que quer ser somente o maior e melhor amigo do seu filho, renegando o seu papel de pai, instituído por Deus. A mulher renegando seu papel de esposa, querendo ser o homem da casa, trabalhando fora, enquanto o caos se instala no lar, resolvendo tudo a seu bel prazer e entendimento. Como o casamento deve ter Deus em primeiro lugar, o marido é o seguinte na lista. Ele é o representante de Deus no lar. O marido é o guerreiro, forte, que ama, protege, traz os frutos de seu trabalho para casa, "constrói a sua casa"; pessoa valorizada, honrada, que tem Deus no coração. Não é chegado a bebida muito forte, não cai em vícios, valoriza e honra sua esposa, não fala mal dela para sua mãe ou para seus amigos, pois tem como ouvidor e juiz o próprio Deus. É reconhecido na sua comunidade como pessoa idônea, que anda nas veredas da verdade e da justiça. Anda com a cabeça erguida, não por arrogância ou orgulho, mas em humildade e confiança pois seus caminhos são justos. A próxima da lista é a mulher. Quantos dons Deus deu a mulher! É ajudadora idônea, conselheira confiável, não implica com o esposo, sabe que cada um tem suas peculiaridades, cuida do seu lar e de seus filhos com maestria, respeita, honra e ama seu marido, não fala mal dele para sua mãe ou amigas, pois tem Deus como seu ouvidor e juiz. Sabe que da sua diligência em cuidar do seu lar haverá frutos maravilhosos, filhos bem educados, disciplinados, respeitadores da ordem e do correto viver em comunidade. Não permitirá que valores distorcidos sejam ensinados aos seus filhos, pois não delega a educação deles a outrem. A mulher que anda nas veredas da justiça, tem Deus no coração, rejeita os ensinamentos fraudulentos, de uma falsa psicologia moderna e de um feminismo corrompido que só trazem a destruição das famílias e danos irreparáveis para a sociedade. A mulher virtuosa não aceita paradigmas, antes os coloca em cheque, contesta e analisa para chegar a verdade para aplicar na sua vida e em seu lar. Não deixa o mal entrar na sua casa, quer seja pela TV, internet, ou outro meio. Antes disto mantém diálogo com seu marido e filhos como uma guardiã interna da sua casa, do seu lar. Este é um pequeno resumo dos papéis de marido e mulher no seu lar, papéis que foram instituídos por Deus para que a família cresça forte, somando para uma comunidade sadia.

Esta é a primeira parte deste comentário de um estudo, de uma experiência empírica. No próximo artigo darei continuidade as explicações das etapas para a construção de um lar feliz e próspero. Casais e famílias compostas de pessoas livres, sábias, não manipuláveis, seguras do que estão fazendo, que não se deixam levar pelas circunstâncias, pessoas bem posicionadas nas suas ações, pois sabem o correto a fazer.

Fiquemos todos na Paz, que excede todo o entendimento, do
Nosso Senhor Jesus Cristo de Nazaré, Yahushuah Hamashiah.

sexta-feira, 19 de abril de 2019

As verdades que ninguém quer ouvir

Meus queridos leitores.
É indubitável alguns avanços que foram conseguidos pelo feminismo na nossa sociedade. As mulheres trabalhavam nas suas residências e, na maioria das vezes, eram desvalorizadas por pessoas com sentimentos e ações patriarcais corrompidas, duvidosas. Na verdade a própria sociedade negava as mulheres direitos inerentes a todo ser humano, como se a mulher pertencesse, ou houvesse, uma classe humana inferior. Na verdade, em toda a história humana, a mulher sempre demonstrou sua força, seu importante trabalho e esforço para que as famílias fossem fortes, (veja Provérbios 31:10-31) e que o cônjuge tivesse um porto seguro, a certeza de que sua casa, sua família, estivesse sempre em boas e competentes mãos. Mas o femismo, termo criado pelo próprio movimento feminista para designar a ala radical do movimento, algo oposto ao machismo, que prega a supremacia da mulher, mas mais acertadamente, o misandrismo, que seria a expressão correta, condizente com o feminismo radical, trouxe sérios problemas para a sociedade que agora sofre consequências devastadoras. Que consequências são estas? Vamos primeiramente observar o seguinte cenário: nas cidades, em tempos, não tão antigos (segunda metade dos anos 60), os homens, os esposos, trabalhavam nas empresas, escritórios ou nos seus próprios negócios. Ao chegar em casa, no final de tarde, ou a noitinha, as mulheres, as esposas, estavam com os filhos de banho tomado, após um dia de brincadeiras, prontos para que os homens pudessem ter o esperado momento diário com seus filhos e esposa, além do merecido descanso. As esposas haviam passado o dia com seus filhos, cuidando-os, alimentando-os, conversando, educando-os, os mandando à escola, cuidando da casa, da limpeza, das roupas de todos, enfim dos seus afazeres domésticos importantíssimos, que garantia que tudo fosse bem no lar. A mulher, no final do dia, após seu importante trabalho familiar, estava pronta para receber o marido, cheirosa, feminina, segura de si pelo cumprimento de sua missão. Há algo errado nisto, que diminua a mulher? Amar o seu marido e valorizar o seu trabalho era algo importante e natural. Os maridos que amavam suas mulheres entendiam isto. Após um dia cansativo de trabalho de ambos, marido e mulher tinham seus momentos juntos após os filhos irem dormir nos horários estabelecidos pela mãe. Se houvesse algum caso de indisciplina por parte dos filhos, se a esposa tivesse dificuldade de resolver, já avisava, "contarei ao seu pai e ele resolverá". Muitas vezes isto já bastava para a solução do problema, pois os filhos respeitavam os pais, tinham recebido educação e reconheciam a autoridade dos pais. Nos finais de semana, a família saia para passear, nos centros da cidade, nas lojas, nos parques, nas praças, na zona rural, etc. Programavam as férias familiares. Neste cenário muitos de nós foram criados, em famílias fortes, numa sociedade sadia, em que cada um cumpria devidamente o seu papel. Os filhos cresciam instruídos, cuidados pelos pais, fortes, prontos para cumprir também seu papel numa sociedade sã. Então, quais são as consequências devastadoras acima referidas? As famílias desestruturaram-se; homem e mulher que não sabem, não conhecem os seus papéis; filhos revoltados sem a atenção dos pais, assistidos por uma escola totalmente despreparada e desqualificada para instruí-lo devidamente; homens efeminados; mulheres masculinizadas; filhos com desvios comportamentais, de conduta, sem saber o que é certo ou errado, sem disciplina, sem respeito para com seus semelhantes; filhos despreparados para a vida; mulheres que não sabem sequer fazer um ovo frito e muito menos cuidar de suas casas, pois suas mães não lhes ensinaram, contrariando séculos de tradição e costumes; desrespeito às leis e a organização da sociedade, pois foram criados filhos revoltados, sem disciplina, sem limites por uma psicologia danosa e falha; as pessoas casam buscando suprir suas próprias necessidades, não compreendem que "o casar", estabelecer matrimônio, estabelecer uma aliança, é amar e servir ao outro, criando um novo lugar, um porto seguro, criando uma nova célula sadia para a sociedade, gerando vida através de seus filhos, formando a família.

Infelizmente, vemos hoje uma sociedade doente, onde as pessoas não sabem mais qual é o seu papel. Mas há algo pior, elas não querem mais cumprir os seus papéis! Querem ser e fazer outras coisas. Rejeitam os seus papéis. Certamente o feminismo radical, ou misandrismo, foi um dos grandes responsáveis por este problema. Numa verdadeira guerra dos sexos, a feminismo radical trouxe um entendimento generalizado de que as mulheres eram consideradas inferiores, escravas, sem direito algum e que os homens as escravizavam no trabalho doméstico e até para servirem de objetos sexuais num contraposto oprimindo os homens e empoderando as mulheres. O feminismo radical fez as mulheres se revoltarem contra a sua posição na família, contra o seu papel de ajudadora idônea, competente, que zelava pelos seus filhos, pelo seu esposo, pela sua casa. Revoltada, ela abandonou o seu trabalho no lar, rejeitou o seu papel. Quis trabalhar fora, afinal os direitos eram iguais e ela poderia trabalhar fora, ter seu salário, ser independente, ser livre. Poderia contratar alguém para limpar sua casa e cuidar dos seus filhos. As mulheres, perderam o contato diário com seus filhos e até com seus maridos, negaram o seu papel na família, insufladas por um entendimento errôneo, parecido como uma luta de classes, como faz o socialismo/comunismo, colocando esposas contra maridos, pais contra filhos e vice-versa. As mulheres contemporâneas vivem isto. É inegável que a falta das mulheres nas casas, nas famílias, geraram os mais diversos problemas. O que se pode ver é filhos, basicamente despreparados, faltando elos para que chegassem nas escolas prontos para serem complementarmente instruídos. Escolas, na sua maioria, que não possuem condições de recuperar o que foi perdido e nem de formar adequadamente seus alunos. Os maridos ao chegarem do trabalho precisam ajudar na manutenção da casa, limpar, lavar louças e roupas, invertendo claramente os seus papéis. Há quem irá dizer; então o trabalho de casa, lavar, limpar, organizar, é trabalho de mulher e o homem não poderia ajudar? Isto é machismo! A resposta para isto não é simples pelo fato da própria estrutura familiar criada, não por homens, mas por Deus, que tentarei explicar resumidamente: fez Deus homem e mulher. O homem foi feito do pó da terra, mas a mulher foi feita a partir do homem. Não como um ser inferior, de menor importância, mas saída, oriunda do homem, sua ajudadora fiél, competente e idônea, que tem um grande e importante papel à cumprir, semelhantemente, em importância, ao do homem. Cada um com sua missão, de igual importância para suas famílias. Biologicamente falando, é inegável que os homens possuem uma estrutura física bem diferente das mulheres. Possuem uma estrutura mais robusta, de maneira inquestionável. O homem foi feito para ser o guerreiro, o trabalhador duro que enfrenta todos os problemas e protege sua mulher e seus filhos; sua família. Qual mulher não deseja ter um homem forte, trabalhador, que lhe dá segurança e que lhe pode gerar filhos fortes? É de duvidar que exista uma mulher que deseja ter um marido fraco, temerário, que não lhe dá segurança, que demonstre que não lhe ama, que não liga para ela, que não lhe cuida, que não deseja ter filhos, que lhe parece feminino ou efeminado. Mostre-lhe um homem forte, que lhe inspira confiança, inteligente, amável, cuidadoso e veremos o seu interesse! O pensamento feminista se enraizou tão fortemente que deixou as mulheres confusas, revoltadas, insatisfeitas no seu importante papel, negando sua feminilidade, sua amabilidade, no pensamento que os homens as desvalorizam, as inferiorizam, as tem como objeto sexual, ou simplesmente como procriadoras, o que é uma grande mentira. Houveram muitos homens, no decorrer da história, que realmente não souberam valorizar suas mulheres, transparecendo algo irreal, um pensamento generalizado de que elas são inferiores, e que deveriam ser submissas no mau sentido, quando na verdade elas estão sob uma missão, instituída pelo próprio Deus. Hoje muitas mulheres vivendo o pensamento feminista radical, são infelizes, incompletas, confusas, estressadas, deprimidas, agem como homens, perderam sua feminilidade, bebem, fumam, frequentam bares, não vivem ou cumprem sua missão, seus papéis, renegam o seu próprio eu, numa confusão sem precedentes. Tomam ansiolíticos, antidepressivos, dizem-se livres, mas agem como homens degenerados e corrompidos. A família vive em meio a um caos. As mulheres esqueceram que haviam bons homens, que cuidavam de suas famílias, que valorizavam as suas esposas, que traziam o fruto do seu trabalho para casa e se guardavam para suas queridas e femininas esposas. Criaram uma imagem generalizada de que todos os homens eram  degenerados, que não respeitavam suas mulheres, que tinham amantes, adúlteros, beberrões, jogadores, que não queriam compromisso dentro do casamento, que não ajudavam em casa, mas que buscavam e queriam somente ser servidos sexualmente, além de ter alguém para realizar os serviços domésticos. Esta generalização  é uma mentira, embora haja homens assim, pois também perderam seus parâmetros, não sabem mais, ou nunca souberam do seu verdadeiro papel. Não tiveram instrução, não foram preparados para o casamento, para a formação de suas famílias, apenas seguiram a multidão de incautos. Há muito mais consequências, que tornariam este artigo impossível de ler, mas creio que o que já foi escrito, basta para que haja o entendimento do que é preciso trazer a tona.

Para finalizar, uma sociedade moderna não pode mais conviver com esta batalha entre homens e mulheres, criadas com o real intuito de enfraquecer e destruir as famílias. Machismo, femismo, misadrismo ou feminismo radical são coisas que deveriam ser esquecidas. O que existe é homem e mulher unidos pelo matrimônio, num cordão de 3 dobras (Deus, homem e mulher), formando suas famílias fortes, bem estruturadas, crescendo firmes em entendimento, em cordo, em colaboração, em responsabilidade, cada um cumprindo o seu importante papel, nem mais, nem menos importante do que o papel do outro. A mulher como um polvo, com seus diversos braços, muitas vezes fazendo muitas coisas ao mesmo tempo. O homem, com sua força e determinação, fazendo as coisas na razão, como lhe é peculiar, no amor, no cuidado com sua família. Todos colaborando para a formação de uma sociedade sadia, forte, agradável à Deus.

Há muito o que se falar e escrever sobre este assunto, detalhes importantes que revelam um antigo e grande plano, para a destruição das famílias, que são a base de uma sã sociedade. A discussão está novamente aberta,

Fiquemos todos na Paz, que excede todo o entendimento, 
do Nosso Senhor Jesus Cristo de Nazaré, Yahushuah Hamashiah.

terça-feira, 12 de março de 2019

Conseguiremos viver nossa fé nestes dias turbulentos?

Queridos leitores.
Como poderemos viver um viver cristão diante de tantas adversidades, de tantas coisas erradas que nos deparamos no nosso dia-a-dia? Vivemos um período turbulento na sociedade brasileira, em todas as áreas. Se nos isentamos de participar, dizendo que só oraremos, estaremos caindo na alienação, deixando que os outros critiquem, discutam e resolvam por nós, assuntos que nos dizem respeito. Desta forma dizemos que oraremos e entregaremos à Deus as tais situações. Se participamos, teremos que nos posicionar contra o mal, sermos críticos, envolvidos, inclusive nas propostas para as soluções necessárias. Teremos que apontar erros, apontar pessoas que estão em franco cometimentos destes erros. Erros como mentiras, enganos, corrupção, furtos, roubos e toda a espécie de crimes que temos visto serem descobertos e veiculados na internet, em especial nas redes sociais. Me vi, muitas vezes, fazendo críticas duras à situações e pessoas. Em algumas oportunidades cheguei a conclusão emocional, de que a vida de algumas destas pessoas nem merecia ser vivida, de tão desprezíveis que eram, devido aos seus terríveis atos criminosos, orgulho, não reconhecimento e continuidade dos seus temíveis erros, mesmo às custa de muitas vidas inocentes. Estaria eu não vivendo uma vida cristã? Achando-me superior, mais justo do que os outros? Estaria eu julgando meu semelhante? É justo e aceitável diante de Deus esta oposição ao mal? Devo praticar ato de juízo contra meu semelhante? Estaria eu com uma tremenda trave em meu olho tentando tirar o cisco do olho do meu semelhante? E as pessoas que me rodeiam o que dizem a respeito disto? Que conselhos dão? São conselhos oportunos e aceitáveis? Vejam o que diz em 1 Coríntios 6:3: "Não sabeis vós que havemos de julgar os anjos? Quanto mais as coisas pertencentes a esta vida?". 

Meus amigos, diante disto, lembro-me também do trecho de Mateus 23, onde Jesus Cristo admoesta os fariseus e mestres da lei, dizendo que eram hipócritas e raça de víboras. Suas obras eram más. Por fim disse-lhes preocupado, como é que escapariam da condenação do inferno. É notório que temos que nos espelhar em Jesus Cristo, imitar seu caráter, seguir o seu exemplo, buscando a maturidade. Desta forma, é óbvio que temos que nos posicionar firmemente contra o mal, sem nos achar melhores do que os outros, orando e participando das ações necessárias para que haja a verdade e a justiça. Se existe alguém, espiritualmente mais preparado, é claro que deverá colaborar para o bem da comunidade. Semelhantemente, vivemos, na verdade, uma luta diária na defesa de nossa fé cristã, como sempre aconteceu. Os cristãos lutam por sua fé, se opondo ao mal e sendo perseguidos por isto. Quantos cristãos verdadeiros foram perseguidos e mortos por serem quem eram, por lutar contra o mal, por lutar por sua fé? Desde que Jesus Cristo começou seu ministério e juntou seus doze, eles foram perseguidos pelos fariseus, mestres da lei, ou seja, pelo sinédrio, que culminou na morte de Jesus. Depois foram os imperadores romanos que perseguiram e mataram os cristãos até o suposto cristianismo de Constantino ser considerado a religião oficial de Roma. Não parou até os presentes tempos. Isto não é novidade! Os verdadeiros cristãos continuam a ser perseguidos. Quem luta pela verdade é perseguido! Vi, perplexo, nos últimos dias, uma parte da população brasileira, lavada cerebralmente, se opondo ao canto do hino nacional pelas crianças, nas escolas. É óbvio que se você não amar a sua pátria o inimigo virá e não encontrará resistência. Infelizmente, o comunismo, que é uma doutrina do mal, que prega e pratica o ateísmo, lavou cerebralmente as mentes dos brasileiros. Incutiu mentiras, enganações e manipulações nas suas cabeças, conforme o seu manual, confundindo, trazendo o caos e a destruição à nação brasileira. Parece que todas as coisas inaceitáveis se tornaram aceitáveis. Foram poucos os que tiveram o discernimento e a coragem para se opor a tudo isto, mesmo correndo o risco de serem ridicularizados pelo politicamente correto. Os jovens foram doutrinados nas escolas e faculdades, usados como massa de manobra por líderes criminosos que visavam única e exclusivamente dinheiro e poder, espalhando a miséria igualitariamente para os demais. É só olhar os exemplos da Venezuela e da Coreia do Norte. Quem em sã consciência deseja a escravidão de um sistema comunista/socialista, que depois de fracassados, pedem ajuda humanitária ao mundo capitalista/democrático, a quem se opõem, para se sustentar? Devemos também observar o exemplo de Jesus Cristo, quando disse que seu reino não era deste mundo, ao seu algoz Pôncio Pilatos. O Senhor Jesus não foi um líder político, um libertador, como queria o povo de Israel, que estava sob o jugo romano. Jesus Cristo foi líder espiritual, trazendo a salvação, a restauração da amizade do homem com Deus. Então, deveríamos talvez, sermos espirituais, deixando as coisas deste mundo para aqueles que fazem parte deste mundo? Deveríamos somente orar e interceder pela nação brasileira? As vezes penso que sim, mas lembro-me de que temos que nos opor ao mal com ações práticas. Se a fé sem obras de nada adianta, penso da mesma forma para estas situações. Para que o mal vença, basta que não façamos nada. E assim tem sido feito. Os brasileiros estavam dormindo, num sono induzido, letárgico, hipnótico, do mal. Caso acordassem estariam debaixo de escravidão, depois de terem sido violentamente roubados e saqueados durante este seu sono alienador, mas muitos não acordaram e perderam suas vidas. Mas Deus agiu, despertando de seu sono, os que sobreviveram, trazendo o discernimento e a salvação para a nação brasileira. Povo que deverá andar nos preceitos do Senhor. O país que crê e tem o Senhor como seu Deus e anda nos seus preceitos é salvo, próspero e abençoado! O Brasil não será mais conhecido como a nação do carnaval, da prostituição, do futebol e da idolatria, mas como o povo que escolheu o bem, se opôs ao mal, o país que Deus moveu sua mão para livrá-lo do mal, que estava prestes a destruí-lo. Será conhecido como a nação que lutou contra a corrupção e venceu! Se opor ao mal é preciso, o próprio Deus nos deu o exemplo! E, para finalizar, o julgamento final pertence ao Senhor e seus Santos.

Fiquemos todos na Paz, que excede todo o entendimento, 
do Nosso Senhor Jesus Cristo de Nazaré, Yahushuah Hamashiah.

quarta-feira, 24 de outubro de 2018

Homenagem à Ribeirão Preto, SP e à todo povo brasileiro.

Dia 21 de Outubro de 2018, data histórica, quando o povo brasileiro, novamente levantou-se, em todo o Brasil, contra a opressão de um regime comunista, prestes a ser estabelecido através de eleições fraudulentas, da mentira, do engano e da manipulação. Ribeirão Preto, cidade nobre de coração, no interior de São Paulo, de gente de bem, trabalhadora, de pessoas corajosas, posicionadas contra o mal, vai às ruas. Concentra-se na praça XV, caminha pela Rua Visconde de Inhaúma e Avenida 9 de Julho. Leva uma enorme bandeira verde e amarela, carregada por diversas pessoas que proclamam em alto e bom som, num grito antes trancado nas suas gargantas, diante da real ameaça comunista de tomada do poder: "A nossa bandeira jamais será vermelha". No caminho encontram dois ou três opositores, um deles mostrando o dedo do meio numa atitude vergonhosa. Lembramos, naquele momento, das lamentáveis cenas imorais e vergonhosas de pessoas que protestaram nuas, outras urinaram e defecaram, em lugares públicos, sobre as fotos do Jair Bolsonaro, ao vê-lo liderar, até mesmo, nas pesquisas eleitorais do Ibope e Data Folha, compradas pelos petistas com dinheiro da corrupção. Não pretendo arruinar este artigo com fatos tão desprezíveis, mas que precisam ser registrados para que se conheça quem é quem. A manifestação chegou na esquina da Rua independência com a Nove de Julho com grande comoção. A emoção era aparente. A esperança podia ser vista em todas as faces e nos olhos comovidos, mareados, dos brasileiros ribeirão-pretanos, que transbordavam de imensa alegria. Ribeirão Preto e nosso povo Brasil afora, deram uma aula de democracia, especialmente àqueles que se dizem democratas, quando na verdade são comunistas/fascistas siameses, pois são contrários à democracia. O povo de Ribeirão Preto e de todo o Brasil também deu uma aula de civilidade, de amor à pátria, num mar verde-amarelo, ostentando orgulhosamente nosso pavilhão nacional, auri-verde pendão. Sim, nossa bandeira brasileira estava presente, de diversos tamanhos, sendo carregada respeitosamente por muitas pessoas, que cantavam alegremente, acompanhadas de suas famílias. Faziam sinais de positivo uns aos outros, elogiavam a bandeira brasileira do vizinho de caminhada, com olhos no tão esperado futuro melhor, há tanto prometido. O que vimos foi a cidade de Ribeirão Preto e todo o Brasil, posicionados firmemente contra o mal, com um grito de ordem: "Brasil acima de tudo e Deus acima de todos". Resta-nos dizer, Parabéns Ribeirão Preto, parabéns Brasil por sua coragem, pelo seu posicionamento contra o mal que ainda assola o nosso país. Parabéns pela linda manifestação voluntária naquele grito que não queria calar: "Eu vim de graça", demonstrando a voluntariedade e a genuinidade do movimento, da campanha gratuita para Jair Bolsonaro. Algo jamais visto na história brasileira. Certamente, Ribeirão Preto e todo o povo brasileiro deixou um grande e lindo exemplo para as próximas gerações, de um povo politizado, que não concorda ou permite mais a lavagem cerebral, que há tanto tempo tem sido feita na cabeça dos brasileiros, para fazer aceitar o inaceitável e para enculcar, nas suas mentes, que religião e política não se discute. Sinto-me honrado em fazer parte desta linda e posicionada comunidade e povo brasileiro, que não mais aceitou ser cúmplice das obras infrutíferas do mal; antes, porém, reprovou-as, como tão bem falam as escrituras em Efésios 5:11. Juntos cumprimos a palavra de Deus. Tenham certeza, que nosso Deus liberará, sem falta, muitas bençãos para nossa cidade e país, que com fé se opôs àqueles que roubam, matam e destroem a nação brasileira. Nosso Senhor, nosso Deus, certamente é conosco, brasileiros de todo o Brasil e da nossa querida Ribeirão Preto. A paz do Senhor à todos! por: AraujodeAguiar - Suco Brasil.

quinta-feira, 18 de outubro de 2018

Quando o corpo diz não!

Para o exato entendimento do que preciso dizer sobre nossa natureza humana, preciso discorrer sobre algumas coisas a respeito de Deus e da verdadeira fé cristã até chegar ao "não do corpo". Devemos considerar o que segue.

Deus não precisa que acreditemos nEle, certamente; Ele não precisa de nós, pelo contrário, nós precisamos dEle. Ele fez todas as coisas, incluindo nós. Pela palavra, pelo verbo, envolvido pelo Espírito, tudo fez, tudo criou. Ele estava no princípio e nada do que se fez, se fez sem Ele. Ele é a própria sabedoria que existe antes de tudo. Curiosamente, Deus não é o nome verdadeiro da divindidade cristã em quem acreditamos e outros não. À Moisés se apresentou como "Eu Sou O Que Sou", mas o seu nome não poderia ser citado de forma vã, porque é nome santo. O nome do Senhor não poderia ser pronunciado, sendo composto pelo tetragrama YHWH (YAH). Na verdade nosso Deus não aceita nome e nem imagens. Não habita em templos construídos por mãos humanas e não precisa de nada, pois é o verdadeiro dono de todas as coisas. Aquele que conhecemos como Deus, escolheu alguém, Abrão, um homem de grande fé, oriundo de Ur dos Caudeus a 160Km da grande Babilônia, na Mesopotâmia. Embora fosse de nação pagã, não se sabe como ele conheceu o Deus vivo. Bem mais tarde seus descendentes seriam conhecidos como judeus. Deus escolheu estes homens para revelar-se ao mundo. Na sequência se fez carne, para entrar legalmente neste mundo material, pois Deus é Espírito.  Éramos inimigos de Deus, desobedientes desde a queda no Éden, mortos pelo pecado. Moises deu a lei que deveria ser cumprida, mas nenhum homem teria sucesso. Era impossível, pois se falhássemos num ítem da lei, estaríamos infringindo toda a lei. Estavamos condenados, amaldiçoados pela impossibilidade do cumprimento da lei mosaica. Jesus Cristo legalmente inserido no povo judeu, nascido de Maria, reconciliou-nos com o criador, tomando para si nossos pecados e nosso lugar na cruz. O próprio Deus, em carne, morreu por nós. Se as alianças anteriores foram quebradas pelo homem, Deus resolveu sozinho a questão. Seu sangue derramado nos redimiu dos nossos pecados e nos tornou justos diante do Pai, tornou-nos seus amigos e mais do que isto, seus filhos. Tudo isto é maravilhoso, mas tem mais: intrigantemente, Deus também não é religião. Este é um rótulo pejorativo que deram para a busca e o trato da divindade cristã e de outras crenças. Muito pelo contrário, nosso Deus nada tem a ver com religião ou religiosidade. Jesus foi contra toda religiosidade dos fariseus e mestres da lei, ou seja, do sistema religioso vigente na época, hodiernamente o mesmo. Religiosidade é coisa de homens, que precisam submeter as pessoas às suas vontades, ritos e cerimônias para seus intentos humanos. A liberdade em Cristo Jesus é muito maior do que nos contaram. Explico isto para que se entenda a criação de Deus, alvo deste artigo. 

Fomos criados conforme a imagem e semelhança de Deus, homem e mulher. Nos últimos tempos temos visto a homossexualidade sendo promovida na sociedade, sendo incutida nas cabeças das pessoas pela mídia manipuladora, através de programas que falam de sexo abertamente, novelas, filmes, artigos, etc. Trata-se de mídia comprometida com interesses escusos ligados à destruição das pessoas e famílias, com justificativas de modernidade e quebra de tabus. Usam e apoiam doutrinas obsoletas fracassadas, para a perpetuação de um poder numa sociedade corrompida e destruida, lembrando cenas pós apocalipticas. Afirmam que menino pode gostar de menino e menina de menina, sem consequências, pois dizem ser tranquilamente normal. Será? Que geração será esta e como haverá a próxima? Terá Deus, a fonte da sabedoria, feito o homem desta maneira, para decidir posteriormente seu sexo ou orientação sexual ou ainda ser ensinado a decidir isto, até precocemente nas escolas, independentemente do diz seu corpo, sua natureza? ou trata-se de algo corrompido pelo pai da mentira, a saber, o próprio Diabo, em quem muitos não crêem, dizendo não existir. Muitos afirmam que a homossexualidade já existia em tempos imemoriais, inclusive entre os animais. Será Deus o responsável por isto? Será que Deus, a própria sabedoria, contrariaria sua própria criação, como se fosse imperfeita, incompleta? Como será a vida das pessoas que decidem contra a natureza do seu corpo, contra a criação de Deus? Quais as consequências? Será que o Deus santo, que tem um nome impronunciável, que não aceita imagens para representá-lo, apoiaria o desvirtuamento da sua criação, tornando homens femininos e mulheres masculinas? Aceitaria Deus, O Santo de Israel, mais do que os dois gêneros conhecidos, masculino e feminino, por Ele criados? Será que isto que digo é religião, ou simplesmente a constatação da verdade, independentemente de entendimentos religiosos? Ao olhar nossos corpos vemos nossos órgãos genitais, nosso gênero bem definido. Porque Deus não desenvolveu, naturalmente, por exemplo, seios no homem em lugar dos pequenos mamilos, se ele pode querer tranformar-se em mulher durante sua vida? Porque o problema não é na fisiologia humana, mas na mente. Nossa mente é que decide nossas ações. Uma mente confusa sem autoconhecimento, sem conhecimento de Deus, com sentimento de inferioridade, sem domínio próprio, além de outros problemas, é responsável por decisões que contrariam a natureza humana e que corrompem a criação de Deus.
Certamente sei que este assunto simples, pode tornar-se muito complexo devido a justificativas dos envolvidos, problemas genéticos, história, filosofia da mente, e muitos outros fatores que tranformam isto em coisa controversa. No meu entender tudo se resume na tentativa do mal em destruir a criação perfeita de Deus, feita a sua imagem e semelhança. As pessoas "nadam de braçadas" no mundo, deixam brechas importantes que são exploradas pelo mal que as rodeia e assim erram feio. Seria novamente isto religião ou a simples constatação do que dizem as escrituras? O livre arbítrio explicaria a permissão de Deus para o mal agir desta forma usando os humanos despreparados? Se sim, até quando? As escrituras explicam que o tempo do mal é contado e chegará inevitavelmente ao fim, libertando as pessoas da sua influência maligna. Jesus Cristo já consumou todas as coisas. O mal já está derrotado, embora ainda esteja agindo na vida humana, especialmente naqueles que se negam a crer no Deus vivo, no seu sacrifício, na sua nova e última aliança com os homens. A falta de fé; a falta da crença no Deus vivo; a rebelião do homem contra seu criador, juntamente com a falta de entendimento sobre as coisas de Deus e do conhecimento do próprio Deus, fazem as pessoas enveredarem-se por caminhos infelizes, desconhecidos, de engano, de mentiras e de destruição, embora as falsas justificativas. Certamente esta não é a vontade de Deus. "E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará." (Jo 8:32).

Fiquemos todos na Paz, que excede todo o entendimento, 
do Nosso Senhor Jesus Cristo de Nazaré, 
Yahushua Hamashia.