Compartilhe

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

A Traição de Judas. Somos todos Judas?

Queridos leitores,
escrevo-lhes hoje sobre a detestável traição, nos seus mais diversos aspectos. A falsidade é companheira da traição. A lealdade é o oposto da traição. Cristo foi traído por Judas Iscariotes, que queria luta armada contra o império romano e achava que Jesus teria vindo para isso. Não conseguiu entender, mesmo estando com o Mestre durante todo o tempo, sendo seu discípulo, que Jesus Cristo veio para ser o redentor, para redimir todos os nossos pecados em puríssimo amor, amor de Deus. Não entendeu que o Reino de Jesus não era na terra. Não entendeu nada. Traiu Jesus com um beijo, entregando-lhe aos malfeitores. Caros, como é terrível a traição. Como é terrível ter a confiança transformada em desconfiança. Muitas vezes traímos sem perceber, pois parece-nos algo inofensivo. Traímos quando desmerecemos a confiança em nós depositada; traímos nosso país, quando sonegamos impostos e não o defendemos; traímos quando nos contam algo em segredo e não o guardamos; traímos quando pensamos ou falamos mal de alguém, até mesmo depois de falar com a vítima, ao desligar o telefone; traímos quando armamos situações que podem prejudicar outros, para que nos beneficiemos; traímos quando não retornamos o amor que recebemos em confiança; traímos quando não somos sinceros e transparentes, sendo mentirosos; traímos quando não honramos nossos pais; traímos nossas esposas(os) ou companheiras(os), quando olhamos para outras pessoas com desejo; traímos-as(os) ainda, quando paqueramos "virtualmente", na internet, nos bate-papos e redes sociais, enganando-nos que não é de verdade, que é virtual; traímos, assim, quando somos infiéis. traímos também, quando não educamos corretamente nossos filhos; traímos quando gritamos com eles, ou quando prometemos e não cumprimos; traímos quando não passamos um tempo com nossa família, preocupados somente com dinheiro; traímos quando não cumprimos nossas responsabilidades de pai, mãe, filho, ou seja nossas atribuições, dadas por Deus; traímos enfim, quando desmerecemos a confiança em nós depositadas pelos outros. É necessário que saibamos que a maior de todas as traições é aquela que abrange todas as outras. É aquela que engloba todos os erros, todos os enganos, que é a traição ao nosso Deus. Quando traímos o nosso próximo traímos primeiramente ao nosso Deus, traímos Jesus Cristo a exemplo de Judas Iscariotes. Nem mais, nem menos, traímos Jesus Cristo, O Verbo, o Príncipe da Paz, Yeshua Hamashia, da maneira mais irônica, mais infame, mais vil, com um beijo, fazendo-se de amigo e de seu seguidor. Vejam esse trecho biblico: "Assim também vós exteriormente pareceis justos aos homens, mas interiormente estais cheios de hipocrisia e de iniquidade." (Mateus 23:28); Dessa forma decepcionamos às pessoas e ao nosso Deus, tornando-nos ingratos, desmerecedores de confiança. Sem prejuízo ao contexto quero comentar isso: Muitas pessoas justificam sua desconfiança no próximo, equivocamentente, citando um trecho bíblico que diz: "Assim diz o SENHOR: Maldito o homem que confia no homem, e faz da carne o seu braço, e aparta o seu coração do SENHOR!" (Jeremias 17:5). Deve-se entender, nesse versículo, que devemos depositar nossa confiança primeiramente no Senhor nosso Deus e não nas nossas próprias forças, na força dos nossos braços. Devemos ter dependência do Senhor, não que não devamos confiar no próximo. Vejam nesse link, o artigo que fala sobre isso. Caso a mensagem fosse essa, de que não devemos confiar no próximo, como explicaríamos o fato de que Jesus sendo 100% homem e 100% Deus, confiou nos homens. Houve traição, houve negação, mas no final Ele realizou os seus propósitos. Jesus Cristo não só confiou nos homens, mas os amou e entregou-se totalmente. Não somos Jesus Cristo! Nossa semente é pecadora, mas quem O aceitou, O tem dentro de si, no seu coração, segue a Sua postura e o Seu caráter; confia, ama e entrega-se à Deus a ao seu próximo. Para que tenhamos certeza disso: "E Jesus disse-lhe: Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento." (Mateus 22:37). "Este é o primeiro e grande mandamento." (Mateus 22:38). "E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo." (Mateus 22:39). "Destes dois mandamentos dependem toda a lei e os profetas." (Mateus 22:40). Para finalizar, algumas considerações: "Pela hipocrisia de homens que falam mentiras, tendo cauterizada a sua própria consciência;"(1 Timóteo 4:2). O costume da mentira, da falsidade e da traição, cauteriza nossa consciência, tornando-nos injustos e desmerecedores das coisas de Deus. Não podemos trair nosso Deus, assim não trairemos o nosso próximo. Devemos saber que recuperar a confiança perdida, muitas vezes, é impossível. A maior vitima da traição é aquele que trai, pois todo o peso da culpa, da injustiça e da desconfiança cairá sobre ele. Se formos confiáveis à Deus, seremos confiáveis a nós mesmos e aos outros. Então, será que somos confiáveis à Deus? Será, que sequer acreditamos, verdadeiramente, nEle? Ou será que acreditamos só de ouvir falar? Isso já não seria uma traição contra Quem nos criou? Pensemos nisso!

Fiquemos todos na Paz, calcada na fé no Nosso Senhor Jesus Cristo, que excede todo o entendimento e a toda a intelectualidade humana.

Um comentário:

maria teresa disse...

Cesar, com certeza temos muuuiiito de Judas, estarmos vigilantes é pouco, temos que trocar a identidade e ter a identidade de CRISTO. Profundo seu comentário, poucos se arriscariam quer ser melhor...
Continue neste caminho e verás seus frutos
M.T.Aguiar